Sindicato de táxis de SP ameaça Uber e Haddad: "agora é cacete"

Da Redação
29/01/2016 - 15h04
Em vídeo publicado no Facebook, Simtetaxi diz: “Acabou a moleza, prefeito Haddad, chega de palhaçada nesta cidade. Agora é cacete, prefeito.”

O clima de guerra dos taxistas de São Paulo contra o Uber parece não ter fim. Nesta semana, depois de o prefeito Fernando Haddad voltar a pedir a regulamentação do Uber, foi a vez de um vídeo publicado pelo Simtetaxi (Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores nas Empresas de Táxi) causar muito barulho ao ameaçar os motoristas do polêmico aplicativo e o próprio político do PT.

Por meio de um clipe publicado no Facebook (veja abaixo), o presidente do Simtetaxi, Antonio Matias se disse “aborrecido” com o que chamou de “péssima declaração” de Haddad. Para quem não sabe, o prefeito afirmou nesta semana que os taxistas de SP iriam sumir do mercado pela “concorrência predatória” do Uber, justamente alvo da maior reclamação dos motoristas de táxi pelo Brasil e pelo mundo contra o polêmico app.

“Estou dizendo para o senhor, a Uber não vai trabalhar em São Paulo. A Uber só vai trabalhar em São Paulo se for no modal táxi. No carro particular nós não vamos permitir, senhor prefeito. (...)Nós somos bem antes do Uber, senhor prefeito”, afirmou Matias, dizendo ainda que Haddad não iria querer briga com ele. “Não brinque com essa categoria, respeito é bom e os taxistas merecem.”

 

Os ânimos estão acalorados com a nova declaração do prefeito Fernando Haddad, a Simtetaxi mostrou repúdio e o presidente Antônio Matias mandou seu recado...

Publicado por Táxi em São Paulo em Quinta, 28 de janeiro de 2016

Por fim, mais exaltado, Matias chegou a fazer ameaças mais pesadas contra os motoristas do Uber, que, vale notar, já foram alvos de agressões de taxistas por diversas vezes no último ano. “Acabou a moleza, prefeito Haddad, chega de palhaçada nesta cidade. Agora é cacete, prefeito.”

Prefeitura alega dificuldade de fiscalização

“Quando o transporte coletivo era clandestino, você tinha pontos de parada (para fiscalizar), mas uma nuvem é difícil. Se existe a possibilidade dessa empresa de regular, então vamos fazer isso”, afirmou o prefeito, que já vem tentando regulamentar o Uber na capital paulista desde o final de 2015.

O político destacou que não coloca em discussão a existência do táxi em SP, mas um debate sobre as melhorias na mobilidade urbana da cidade conhecida mundialmente por seus congestionamentos. “Quem explora regularmente a malha viária tem de começar por esse tipo de regulação. Nós temos 1,2 passageiros por carro em São Paulo. Se você aumenta esse número para 1,7, você reduz 30% da frota. Essa tecnologia (Uber) vai permitir isso. Você regular a utilização do espaço viário com inteligência.” 

 

Haddad ainda revelou que a consulta pública de 30 dias sobre a regulamentação do Uber em SP recebeu mais de 5 mil sugestões em relação ao projeto da prefeitura.