Brasileiros estão entre os que mais assistem à TV no mundo

Da Redação
16/04/2013 - 09h00
De acordo com pesquisa, a convergência multitelas já é adotada por 62% dos entrevistados no Brasil, que assistem conteúdo em tablets, smartphones ou desktops

O Brasil é um dos três países em que as pessoas mais assistem TV no mundo, com uma média de 20 horas, atrás apenas dos Estados Unidos (23 horas). Empatados em segundo lugar, estão Índia, China, Malásia e Turquia, com 22 horas cada. Os dados são da quarta edição do Barômetro de Engajamento de Mídia, estudo global conduzido pela Motorola Mobility.

De acordo com a análise, os consumidores em todo o mundo assistem a uma média de 25 horas de programação de TV por semana. A visualização de filmes subiu de cinco para seis horas e o ato de assistir TV aumentou de dez horas em 2011 para 19 horas em 2012. Realizado anualmente pela empresa, a pesquisa analisa de perto as tendências novas e emergentes de conteúdo, tais como hábitos e comportamentos de gravação.

Nesta quarta edição, foram questionados 9,5 mil consumidores de 17 mercados, incluindo Brasil, Estados Unidos, Reino Unido, França, Alemanha, Países Nórdicos, Rússia, Turquia, Emirados Árabes Unidos, Argentina, México, Austrália, Malásia, Japão, Coreia, China e Índia.

Gravação de conteúdo
No mundo, quase um terço (29%) do conteúdo visualizado na TV é gravado pelos consumidores. Em contrapartida, o mesmo percentual (29%) deixa o conteúdo esquecido, sem nunca assisti-lo depois. Outro ponto observado é que a sala de estar continua a ser o centro. O que mudou é que a visualização agora também pode ser feita com mobilidade por meio de diversos dispositivos (smartphones, tablets e notebooks), a chamada "casa de multitelas".

Entre os cômodos mais utilizados para assistir a esse conteúdo está o quarto. No Brasil, essa prática é feita em tablets por 69% dos entrevistados, enquanto 63% assistem a vídeos em smartphones. O País é um dos que têm o maior índice nesse quesito, perdendo apenas para o México (78% em tablets e 76% em smartphones), Coreia (70% em tablets e 69% em smartphones) e China (75% em tablets e 67% em smartphones).

De acordo com o Barômetro, a convergência multitelas já é adotada por 62% dos entrevistados no Brasil, que assistem conteúdo em tablets, smartphones ou desktops. Os mais acessados (43%) são os filmes. Em segundo lugar estão as notícias, com 36% dos entrevistados, seguidas por novelas, com 34%.

No  Japão, conhecido por consumir tecnologia de ponta, o consumo em dispositivos de conteúdo em várias telas fica em 33%. Já outros países da América Latina, como Argentina e México, têm percentual próximos ao do Brasil: 58% e 60%, respectivamente.

Outro dado de destaque, na comparação de 2011 com 2012, o País aumentou o consumo médio de vídeos em tablets, smartphones e laptops fora de casa de 34% para 43% entre 2011 e 2012. O Brasil está acima da média global de 2012, de 38%, à frente dos Estados Unidos, que diminuíram o interesse: de 31% (2011) para 28% (2012); e do Japão, que aumentou de 20% em 2011 para 23% em 2012.

Impacto das redes sociais
O estudo reforça a questão de que as redes sociais mudaram a experiência de ver televisão. O levantamento mostra que há um potencial para usar a mídia social para aprofundar ainda mais a interação entre os públicos, já que 78% estariam interessados em associar seu perfil em plataformas sociais a um serviço de TV afim de compartilhar o que estão assistindo e aumentar a discussão sobre a programação em tempo real.

Outra curiosidade é que a Argentina (34%), Brasil (33%), México (37%) e China (37%) estão os mais interessados em serviços de gerenciamento remoto da residência, como monitoramento de invasão, iluminação e aquecimento, por meio de smartphone, tablet, PC ou laptop.