Em nome da MS, bilionário diz que tentará substituir conselho do Yahoo

IDG News Service/EUA
15/05/2008 - 10h54
Paris - Em carta aberta ao presidente do conselho do Yahoo, Carl Icahn diz que pretende trocar grupo de gerenciamento para reativar negociação.

O investidor bilionário Carl Icahn planeja substituir todo o conselho do Yahoo, informou ele ao presidente do conselho, Roy Bostock, em uma carta aberta. Leia a carta na íntegra (em inglês).

Mais sobre o fracasso da aquisição:
>Linha do tempo das negociações
>Microsoft desiste da compra do Yahoo
>Yahoo costura acordo com Google
>Análise: o que será de ambas agora?
>Yang: negócio fez Yahoo "mais forte"
>Cobertura completa do negócio

Ichan quer que o Yahoo reabra negociações com a Microsoft pela aquisição bilionária abandonada pela gigante de software no final de abril.

Ichan afirmou anteriormente que considerava esta idéia no começo da semana. Boatos de mercado dão como certo que o bilionário comprou cerca de 50 milhões de ações do Yahoo desde que a Microsoft desistiu do acordo.

Outros grandes investidores também expressaram seus descontentamentos com os executivos do Yahoo após o término das negociações com a Microsoft.

Juntos, os acionistas podem destronar todo o conselho do Yahoo, já que 10 dos membros estão tentando a reeleição neste ano. Quem tem ações do Yahoo poderá votar em novos membros do conselho em julho durante o encontro anual de acionistas do buscador.

Um problema potencial com os planos de Icahn é que, mesmo que consiga substituir o conselho, a Microsoft não deu qualquer sinal de que está apta a voltar à mesa de negociações.

Desde que retirou sua oferta, a companhia afirmou que seguiu em frente e que tentará aumentar a participação da sua operação online por esforços internos.

A Microsoft anunciou sua oferta de 44,6 bilhões de dólares pelo Yahoo no começo de fevereiro, mas voltou atrás no acordo três meses depois, afirmando que as companhias não chegariam a um acordo de preço.

A última oferta da Microsoft foi de 33 dólares por ações, ou cerca de 5 bilhões de dólares a mais que a cifra original, mas o Yahoo exigia, no mínimo, 37 dólares por papel.

Juan Carlos Perez, editor do IDG News Service, de Miami