Redação do IDG Now!" />

Negociação com MS fez do Yahoo mais "forte e focado", afirma Jerry Yang

Redação do IDG Now!
05/05/2008 - 11h02
São Paulo - Co-fundador e CEO do Yahoo vem a público responder carta de Steve Ballmer e afirma que empresa não comemora resultado do negócio.

Na primeira manifestação pública após a Microsoft desistir da aquisição hostil do Yahoo, o co-fundador e atual CEO do buscador, Jerry Yang, publicou uma carta aberta afirmando que o Yahoo sai das negociações com a gigante de softwares "mais forte e focado e com um senso de proposta maior".

Disponível no Yodel Anecdotal, blog oficial do Yahoo, a carta de Yang ainda afirma que, com o fim da negociação, a empresa poderá se focar no crescimento "da liderança de mercado (do Yahoo) e na maximização do valor das ações" do buscador.

Mais sobre o fracasso do Microhoo
>Microsoft desiste da compra do Yahoo
>Yahoo costura acordo com Google
>Análise: o que será de ambas agora?
>Cobertura completa do negócio

Yang, no entanto, admite que o Yahoo "não está celebrando o resultado final dos últimos três meses. "Executar nosso plano estratégico é o que mais importa".

"Sabemos que as atenções provavelmente estarão em nós por um tempo. Tudo bem - temos um caminho claro à frente e um momento especial para construí-lo", afirma Yang, que se reuniu com o CEO da Microsoft, no sábado (03/05), para a negociação final da aquisição.

Na ocasião, Ballmer ofereceu a Yang uma oferta de 33 dólares por ação do buscador, contra 29,30 dólares da oferta original. Yang rejeitou novamente a oferta, mantendo o argumento de que o Yahoo estava sendo subavaliado e pedindo, no mínimo, 37 dólares por ação.

Em carta publicada no final do sábado, Ballmer agradece Yang e o conselho do Yahoo, mas afirma que discussões internas na Microsoft "nos levaram a concluir que você tomaria direções que não fariam mais com que o Yahoo fosse uma aquisição desejada pela Microsoft."

Ballmer se refere ao provável acordo que Google e Yahoo vêm costurando nos bastidores enquanto a Microsoft se esforçava para convencer os acionistas do buscador a usarem seus votos para trocar o conselho da empresa e forçar uma aquisição, em estratégia conhecida tecnicamente como "guerra de proxy".

O jornal The Wall Street Journal cita fontes próximas às empresas para afirmar que Google e Yahoo deverão anunciar ainda nesta semana um acordo em que este terceirizaria sua rede de publicidade para o buscador criado por Sergey Brin e Larry Page.

Analistas financeiros acreditam que o acordo poderia dar um fluxo extra de caixa para o Yahoo de 1 bilhão de dólares anuais, ao mesmo tempo em que chamaria a atenção das agências reguladores pelo acúmulo do setor nas mãos do Google.