Funcionários do Google publicam carta contra buscador censurado na China

Da Redação
28 de novembro de 2018 - 13h10
Mais de 200 engenheiros, desenvolvedores e gerentes assinaram a carta aberta contra o polêmico app, que é conhecido como Dragonfly.

Um grupo de centenas funcionários do Google publicou uma carta aberta pedindo para que a gigante encerre o desenvolvimento da polêmica versão censurada do seu buscador voltada ao mercado chinês. As informações são da Reuters.

De acordo com a agências de notícias, mais de 200 profissionais da companhia, incluindo engenheiros, desenvolvedores e gerentes, assinaram o documento contra o app de buscas, conhecido como Project Dragonfly.

Os primeiros detalhes sobre esse possível buscador surgiram inicialmente em agosto em uma reportagem do site The Intercept e causaram bastante barulho, inclusive com organizações como a Anistia Internacional iniciando uma petição contra a iniciativa.

Na carta em questão, publicada no Medium (clique aqui para ler o conteúdo), os funcionários da gigante de Mountain View destacaram sua preocupação sobre um possível uso da ferramenta para esconder fatos dos usuários chineses.

Esse suposto lançamento marcaria a volta do buscador do Google à China. Isso porque a empresa encerrou o serviço de buscas no país asiático no já longínquo ano de 2010 após tentativas do governo local de “limitar a liberdade de expressão na web”.