Google impulsiona AI para tornar seu telefone Android mais inteligente

Mark Hackman, PC World (EUA)
27 de setembro de 2018 - 12h00
Companhia fez algumas alterações no seu motor de busca que visa aprender mais sobre o usuário e fazer sugestões mais inteligentes

A Microsoft não é a única empresa que usa a Inteligência Artificial (AI, na sigla em inglês) para melhorar a qualidade de seus serviços. O Google, ao marcar o 20º aniversário do seu serviço de busca, anunciou seus próprios planos para explorar a tecnologia, incluindo a possibilidade interagir mais com seu novo feed de atividade de Descoberta e outros serviços.

Ben Gomes, vice-presidente responsável por pesquisa e assistente do Google, descreveu várias mudanças que a empresa está fazendo para aprimorar o algoritmo de pesquisa. Curiosamente, a maioria das alterações parece programada para aparecer no aplicativo para dispositivos móveis do Google e envolvem mais interação com os serviços da gigante de Mountain View.

Assim, o algoritmo de pesquisa pode aprender mais sobre o usuário e fazer sugestões mais inteligentes. Gomes escreveu que 15% das consultas diárias são completamente desconhecidas para o algoritmo de busca do Google.

A AI parece ser a nova palavra de ordem em empresas como Google, Microsoft e outras para fazer o engajamento crescer. Nesse caso, há o benefício de ter mais coisas interessantes e um custo: o usuário precisa fazer login nos serviços do Google, o que algumas pessoas evitam por causa da privacidade. Na verdade, é interessante que o Google tenha anunciado isso agora, pois houve mais uma brecha sobre a mais recente privacidade do Google.

Confira uma lista das alterações que serão vistas no algoritmo de pesquisa do Google

Cartões de atividades: um histórico de pesquisa mais inteligente

Não é difícil acessar o historio de pesquisas do computador, mas ao tentar encontrar um site pesquisado anteriormente, é preciso inserir manualmente os termos na caixa de pesquisa e tentar lembrar quais páginas levaram o usuário a algum lugar.

No final deste ano, o Google irá revelar cartões que ligam de volta para as pesquisas anteriores, "quando é útil", diz o Google. A ideia é muito parecida com a linguagem da Microsoft, "pegar onde você parou", usada para descrever o recurso da Linha do Tempo do Windows.

Coleções: um melhor marcador?

As pesquisas de um tópico podem ser esquecidas. Algum usuário pode se sentir tentado a usar um marcador de navegador para lembrar-se, mas o Google tem um novo nome para isso: Coleções.

Em vez de colocar uma página da Web em um marcador ou uma pasta de marcadores, a pessoa atribui um cartão de pesquisa a uma coleção de determinados tópicos. Como as Coleções parecem apenas uma releitura do processo de marcadores, o processo parece bastante similar.

O feed do Google, agora chamado Discover

Uma das inovações que o Yahoo trouxe para pesquisar antes de cedê-lo ao Bing foi sua ênfase na busca por meio da exploração: as homepages geradas por algoritmos do Yahoo incentivariam a clicar em um tópico e explorá-lo, gerando mais e mais cliques à medida que se aprofundava. O Google oferece algo semelhante: seu Feed, acessível ao clicar na caixa de pesquisa em um telefone Android.

O feed é renomeado agora para Discover, mas a premissa é a mesma: com base em uma história, o Google sugere vários tópicos para clicar e explorar.

Os cartões que o feed do Discover mostra oferecem diferentes maneiras de interagir com ele. Um ícone Discover, semelhante a uma flor, permite uma busca detalhada. Um pequeno ícone do painel de controle sem nome pressionará mais ou menos conteúdo para o feed.

Se a pessoa estiver começando a explorar um determinado tópico ou local, o Google pode considerar que parte do conteúdo seja "perene" e relevante, mesmo que tenha algumas semanas ou meses. E se fala vários idiomas, com base em suas pesquisas, o Google também tentará descobrir isso.

Mergulhando na busca do Google Images, com o Lens

Uma das inovações na pesquisa de imagens do Bing foi sua capacidade de extrair elementos de uma imagem, como um par de sapatos em uma foto de uma sala de estar e usar isso como base de uma pesquisa inteiramente nova. Agora, o Google diz que vai trazer a mesma capacidade para o Google Images (através de um recurso chamado Lens) nas próximas semanas.

O Google também disse que a empresa faria um trabalho melhor sugerindo vídeos para ilustrar o que está sendo pesquisado.

Em geral, usar a inteligência artificial para melhorar a maneira como o Google interage com o usuário não é novidade. O teste real será o quanto o usuário interage com o Google, com base em seus novos recursos de pesquisa.