App Rappi agora oferece função de transferência de dinheiro entre usuários

Por Carla Matsu
04/09/2018 - 16h25
RappiPay já está disponível para usuários brasileiros do serviço de delivery; Em breve, meio de pagamento também será aceito em estabelecimentos físicos parceiros da startup

A startup colombiana Rappi lançou no Brasil nesta terça-feira (04) um recurso que atua como uma espécie de carteira digital, permitindo usuários do aplicativo de delivery usarem a ferramenta para transferir dinheiro entre os usuários. Batizado de RappiPay, o serviço já está disponível para todos os usuários que possuem a plataforma, tanto em aparelhos Android quanto iOS.

A novidade chega ao Brasil depois da empresa iniciar o serviço na Colômbia e no México. Criada em 2015, a Rappi hoje atua em cinco países da América Latina, que incluem também Argentina e Chile. No Brasil, estacionou em julho de 2017 e já opera em 10 cidades (São Paulo,  Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Salvador, Recife, Fortaleza, Campinas e Brasília). Por meio do app, é possível fazer pedidos de itens de supermercado, restaurantes e farmácias, que são feitos por motoristas, motoboys ou entregadores de bicicleta. Além dos mais de 30 mil itens cadastrados, usuários podem solicitar a entrega de, basicamente, qualquer coisa pela plataforma.

Como funciona o RappiPay

A nova função possibilita transações financeiras entre os usuários sem a necessidade de uma conta bancária. Em breve, a RappiPay também poderá ser usada para realizar pagamentos em estabelecimentos físicos parceiros. Com isso, usuários poderão pagar uma conta utilizando o leitor de QR code do aplicativo. Segundo executivos da startup, a empresa agora trabalha para desenvolver essa rede de lojas e restaurantes parceiros que aceitem o novo meio de pagamento.

Para transferir dinheiro via RappiPay, o usuário precisa antes cadastrar um cartão de crédito. Depois, basta digitar o número do telefone do destinatário - que também deve ter o app instalado - e o valor que deseja enviar. Esse valor pode ser a partir de R$ 1 até R$ 2.500. A transferência é gratuita e acontece instantaneamente. É possível também acompanhar todos os movimentos do dinheiro dentro da plataforma.

Entre os exemplos de utilidade para o novo recurso estão casos de “rachar” a conta de uma pizza, por exemplo, entre amigos. A transferência pode ser feita, então, na hora do jantar, sem a necessidade de recorrer aos apps de bancos. Basta o usuário solicitar o valor final a todos os amigos e, depois da transferência, realizar o pedido e pagar com o RappiPay. 

RappiPay-inerna

“Queremos ser um  super-app”

Durante coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira (4), executivos da Rappi explicaram que a empresa quer posicionar o aplicativo para além de uma assistente pessoal de entrega. A ambição é integrar cada vez mais serviços para que clientes nas duas pontas - tanto usuário quanto estabelecimentos - não precisem sair da plataforma. 

“Queremos que a Rappi seja um super-app. Quando a Rappi começou em 2015, o cliente entrava no app e preenchia um box branco informando o que ele queria pedir. Fomos desenvolvendo as verticais sob a demanda dos clientes, entendendo quais eram os produtos mais pedidos e nos especializando. Ouvimos muito os clientes e esse novo serviço [o de transferência de dinheiro] era um  dos mais pedidos”, explicou Bruno Nardon, CEO da Rappi no Brasil. “Em um segundo momento, os usuários vão querer uma facilidade para também pagar no offline”, completou. 

Dada a outras ofertas de carteiras digitais como Samsung Pay, Apple Pay e Google Pay, disponíveis também no Brasil, Tiago Barra, head de growth marketing da Rappi, defende que o RappiPay pode ser útil em um mercado brasileiro onde a maioria das pessoas possui smartphones de entrada Android com capacidade de memória reduzida. “Esse não é um posicionamento para entrar no mercado de pagamentos, mas é um recurso que visa agilizar a vida do usuário, atendendo a uma demanda do mercado”, ressaltou Barra. Entretanto, apesar de, inicialmente, afastar que o RappiPay tem a ambição de ser uma  carteira digital como o Samsung Pay e Apple Pay, o executivo afirma que a companhia trabalha para desenvolver a estrutura do serviço de pagamento e da experiência do usuário para, mais tarde, entregar uma solução financeira completa.

Para Nardon, é uma ambição que faz sentido. “A gente cria novas funções baseadas nos pedidos dos nossos clientes. Não temos como cliente só o usuário final, também temos como clientes os parceiros, os estabelecimentos, os shoppers. Ouvimos o que eles pedem e tentamos a entender como solucionar os problemas que têm hoje.  A gente vê que, no futuro, tem essa tendência de entrar mais na cadeia de suprimentos e ajudar com outros serviços que não só a geração de pedidos. Estamos mapeando muitas coisas bacanas, mas, claro, tudo ao seu tempo. Não queremos dar maior passo que a perna", reforçou.

Um novo unicórnio

Na última semana, a Rappi confirmou ao jornal Estadão que atingiu a marca de US$ 1 bilhão em valor de mercado, tornando-se o mais novo unicórnio da América Latina. O valor foi alcançado depois de receber uma recente rodada de investimentos. A companhia, entretanto, não divulgou detalhes dos valores e investidores.

Até o final deste ano, a empresa pretende ampliar sua atuação para 15 cidades brasileiras e dar início à operação no Uruguai e Peru.