MBL e apoiadores de Bolsonaro: MPF revela páginas excluídas pelo Facebok

Da Redação
07 de agosto de 2018 - 17h30
Rede social também publicou a relação das 196 páginas excluídas no final de julho por "espalhar desinformação".

O Ministério Público Federal (MPF) de Goiás divulgou nesta segunda-feira, 6/8, informações sobre as 196 páginas excluídas pelo Facebook Brasil no final do mês passado. “Pelo grande interesse da sociedade nos fatos em apuração, o MPF dá publicidade e transparência às investigações e à lista recebida do Facebook”, afirma o procurador da República Ailton Benedito, do MPF-GO. 

Bastante diversa, a lista com as páginas excluídas também foi disponibilizada pela rede social em sua área para a imprensa – veja aqui o link do MPF e aqui o link do Facebook.

MBL, Bolsonaro e muito mais

Entre outras coisas, a relação traz um total de quatro páginas em apoio ao Movimento Brasil Livre (MBL): “MBL Jacareí”, “MBL São José dos Campos”, “MBL Caraguatatuba” e “MBL Taubaté”. Além disso, a lista conta com pelo menos três páginas em apoio ao deputado federal e candidato à presidência Jair Bolsonaro: “Bolsonaro O Mito”, “Bolsonaro Presidente” e “Vamos Falar do Jair Bolsonaro?”. 

Vale citar ainda entre as páginas excluídas: Ceticismo Político, Ceticismo Político News, Nando Moura em 10 minutos – ou menos, Michel Presidento, Quero Armas na Riachuelo, Salsicha MBL, Fake News, Guerra Política, Orvalho de Cavalo, Juventude Democratas de Joinville/SC e Juventude do Democratas de Joinville. 

Posição Facebook

No último dia 25 de julho, quando excluiu as páginas em questão, o Facebook publicou o seguinte comunicado sobre o caso. “Como parte de nossos esforços contínuos para evitar abusos e depois de uma rigorosa investigação, nós removemos uma rede com 196 Páginas e 87 Perfis no Brasil que violavam nossas políticas de autenticidade. Essas Páginas e Perfis faziam parte de uma rede coordenada que se ocultava com o uso de contas falsas no Facebook, e escondia das pessoas a natureza e a origem de seu conteúdo com o propósito de gerar divisão e espalhar desinformação.”