Juiz nos EUA suspende divulgação de manuais para impressão 3D de armas

Da Redação
01/08/2018 - 12h37
Cody Wilson, líder de grupo libertário para a fabricação de armas, teve serviço bloqueado nessa terça; Manual detalhado permitiria qualquer pessoa imprimir arma de fogo em casa

Em um futuro, aparentemente não muito distante, uma pessoa conseguirá imprimir tudo a partir de sua casa, desde móveis, objetos de decoração, utilidades domésticas e até mesmo casas recorrendo para isso a uma impressora 3D. Mas para além dos benefícios, a tecnologia se encontra no centro de um polêmico debate por também facilitar a confecção de armas letais. Nessa terça-feira (31), um juiz federal de Seattle bloqueou temporariamente a publicação de manuais detalhados para o desenvolvimento de armas impressas que seriam impossíveis de ser rastreadas e indetectáveis. O lançamento estava marcado para 1º de agosto, hoje.

Um grupo de advogados entrou com ação para impedir que uma empresa baseada no Texas, a Defense Distributed, disponibilizasse os downloads dos manuais na internet. Cody Wilson, fundador da companhia, acredita que qualquer pessoa tem o direito de construir seu próprio arsenal de armas. Em 2013, ele construiu a primeira arma de plástico do mundo, segundo informações da CBS News. 

O juiz Robert Lasnik, autor da ordem, argumenta que "há a possibilidade de danos irreparáveis devido a forma como essas armas são feitas". A ordem segue ainda a declaração pró-armas no Twitter do presidente Donald Trump: "Eu estou ansioso por armas de plástico 3D serem vendidas ao público. Eu já falei com o NRA, não me parece ter muito sentido". A NRA é a Associação Nacional do Rifle, principal lobby americano das armas de fogo. A entidade se manteve muito discreta sobre o tema.

No final de junho, após uma longa batalha judicial, o governo federal autorizou o Defense  Distributed a disponibilizar os manuais. Em entrevista à Wired, Cody disse que já tinha publicado as instruções e que já foram baixadas milhares de vezes. “Eu as publiquei em 27 de julho”, disse Wilson. “A data de 1º de agosto é para efeitos de marketing”. 

Cody Wilson é natural do Arkansas e, como resumiu o jornal Washington Post, pretende fazer de seu projeto uma espécie de "WikiLeaks das armas". Para além das consequências de "democratizar" o acesso às armas de fogo, especialistas em segurança temem que estas armas possam enganar os detectores de metais usados em edifícios públicos e aeroportos.