Chrome usa até 13% mais RAM por causa de soluções contra Spectre

Da Redação
12 de julho de 2018 - 12h30
Segundo revelou Google, solução Site Isolation traz como efeito colateral uma sobrecarga de 10% a 13% no uso de memória.

O Google anunciou nesta semana que soluções recém-lançadas para as vulnerabilidades de CPU Spectre fazem com que o seu navegador Chrome use mais memória RAM.

Em um post sobre o assunto no seu blog, a gigante de buscas destaca o recurso chamado Site Isolation, que está presente no mais recente update Chrome 67  para Windows, macOS, ChromeOS e Linux – a companhia de Mountain View trabalha agora para levar o Site Isolation para o Chrome no Android.

Segundo o Google, o Site Isolation, que estava disponível em versão experimental desde o Chrome 63 para os sistemas citados acima, protege as máquinas dos usuários de novos ataques que se aproveitam da vulnerabilidade Spectre, revelada originalmente em janeiro deste ano.

“Isso significa que, mesmo que um ataque Spectre acontecesse em uma página web maliciosa, os dados de outros sites normalmente não seriam carregados no mesmo processo, e assim muitos menos dados ficariam disponíveis para os invasores. Isso reduz significativamente a ameaça imposta pelo Spectre”, explica o Google sobre a nova ferramenta.

Maior uso de RAM

No entanto, essas soluções possuem um efeito colateral sobre o Chrome, o navegador mais usado no mundo, já que aumentam o uso de memória em aproximadamente 10%, conforme revela o engenheiro de software do Google, Charlie Reis.

“O Site Isolation faz com que o Chrome crie mais processos de renderização, o que vem com trocas de desempenho: pelo lado positivo, cada processo de renderização é mais curto, e possui menos contenção internamente, mas há uma sobrecarga entre 10% e 13% de memória total em cargas de trabalho reais por conta do grande número de processos”, afirma Reis, que destaca ainda que a companhia trabalha para otimizar esse comportamento causado pelas soluções.