Funcionários pedem para Amazon não vender sistema de reconhecimento facial à polícia

Da Redação
22 de junho de 2018 - 17h35
Em carta a Jeff Bezos, funcionários dizem que software de reconhecimento facial da companhia irá servir como ferramenta de vigilância do governo

O CEO da Amazon, Jeff Bezos, foi pressionado por um grupo de funcionários à luz de que a gigante de tecnologia tem vendido tecnologia de reconhecimento facial para a polícia dos Estados Unidos. Em carta encaminhada ao presidente, os funcionários pedem para que a Amazon não forneça mais a tecnologia chamada Rekognition às autoridades norte-americanas. 

A carta à Amazon foi encaminhada após uma investigação da American Civil Liberties revelar que a companhia vende seu sistema de reconhecimento facial para clientes governamentais. Segundo o site Engadget, a polícia de Orlando confirmou que policiais da cidade estão testando o software, apesar de dizer que estão aplicando a tecnologia apenas em policiais que se voluntariaram para fazer parte de um piloto e que não a utilizam para espionar residentes. 

No documento, os funcionários da Amazon lembram do potencial da tecnologia para prejudicar cidadãos já marginalizados no país. 

"Em meio a uma histórica militarização da polícia, renovando o alvo a ativistas negros, e o crescimento de uma força federal de deportação atualmente envolvida em abusos dos direitos humanos, o software de reconhecimento facial da Amazon irá, certamente, servir como uma poderosa ferramenta de vigilância para o governo", diz o documento.

O episódio lembra o recente pedido de funcionários do Google, que pressionaram a companhia de Mountain View para cortar laços com o Departamento de Defesa dos Estados Unidos no chamado Projeto Maven, que aplica inteligência artificial do Google para drones, algo que daria ao Pentágono uma forma de identificar alvos sem a supervisão do olho humano. Funcionários do Google chegaram a se demitir da empresa por não concordar e a repercussão negativa levou a companhia a recuar e não renovar o seu contrato com o Projeto Maven. 

Os funcionários da Amazon ainda pedem para a Amazon desligar a empresa de mineração de dados Palantir de seus serviços de nuvem AWS. Segundo reportagem do The Intercept, a Imigração e Alfândega dos Estados Unidos tem usado os serviços da Palantir para identificar e erradicar imigrantes dos Estados Unidos.