Saiba como funcionará o recurso de 'limpar o histórico' do Facebook

Da Redação
07 de maio de 2018 - 15h00
Novidade deve ser entregue ainda neste ano; Recurso dará maior controle e visão sobre os dados compartilhados com apps de terceiros

Na última semana, durante a conferência para desenvolvedores do Facebook, a F8, o CEO Mark Zuckerberg anunciou uma série de novidades que devem chegar ainda neste ano para seus mais de 2 bilhões de usuários. Entre elas, uma habilidade que dará maior controle e visão sobre os dados que são compartilhados com apps de terceiros. 

Chamado pelo Facebook de "Clear History" (Limpar histórico), o recurso exibirá seu histórico de navegação, incluindo quais sites você visitou no Facebook e em quais anúncios clicou.

"Assim que implementarmos essa atualização, você poderá ver informações sobre os aplicativos e websites com os quais interagiu e poderá limpar essas informações da sua conta. Você poderá até mesmo desativar essa informação armazenada", explicou Zuckerberg em post em sua página pessoal.

O executivo, entretanto, alerta de que ao fazer isso, usuários "perderão" uma experiência personalizada na plataforma, comparando a navegação com os cookies coletados pelo navegador. "Você pode ter que entrar novamente em todos os sites, e ter que reconfigurar as coisas. O mesmo será verdade aqui. Seu Facebook não será tão bom enquanto reaprende suas preferências."

A novidade, que ainda precisa ser entregue, é uma resposta do Facebook ao escândalo envolvendo o uso indevido de dados de milhões de perfis de usuários da rede social. Apesar do Facebook prometer maior controle aos usuários de seus dados, isso não quer dizer que a companhia não terá mais nenhuma informação sobre você, mesmo se valendo do novo recurso.

Em post publicado no blog da companhia, Erin Egan, VP e Chief Privacy Officer do Facebook, endereça a questão: "Nós ainda forneceremos aplicativos e websites análises agregadas. Por exemplo, podemos criar relatórios quando enviamos essas informações para que possamos dizer ao desenvolvedor se os aplicativos deles são mais populares entre homens e mulheres em determinada faixa etária. Podemos fazer isso sem armazenar as informações de maneira associada à sua conta e, como sempre, não informamos aos anunciantes quem você é", explica.

Vale lembrar que o escândalo envolvendo a Cambridge Analytica pode até ter abalado as estruturas e feito o Facebook repensar seu serviço. Mas no caso da CA, a empresa anunciou recentemente que fechou as portas

"O cerco à cobertura da mídia afastou praticamente todos os clientes e fornecedores da empresa", disse a companhia em comunicado. "Como resultado, foi determinado que não é mais viável continuar operando o negócio, o que deixou a CA sem uma alternativa realista", completou.