Samsung tem lucro recorde, mas alerta para queda na divisão de smartphone

Da Redação
26/04/2018 - 11h00
Fabricante reportou lucro de US$ 14,45 bi; Entretanto, alertou para um segundo trimestre desafiador a medida que o segmento de telas e móvel desacelera

A Samsung anunciou seu balanço financeiro para os três primeiros meses do ano e, pelo sexto trimestre consecutivo, registrou lucros recordes para sua operação global. Mas enquanto você pode conhecer a Samsung mais pela sua linha de smartphones e televisores, a divisão que tem acelerado a fabricante sul-coreana está numa escala mais íntima, no caso, em seus chips de memória. 

A companhia espera que o seu negócio de semicondutores se mantenha forte no segundo trimestre, ainda mais sob a preocupação de que o crescimento das outras divisões - móvel e de telas - vem caindo. Em seu anúncio, a empresa, inclusive, alertou sobre uma possível desaceleração no crescimento das unidades.

"Para o segundo semestre, a Samsung espera que o seu negócio de memória mantenha forte performance, mas gerar ganhos de forma geral ao largo da companhia será desafiador dado ao enfraquecimento do seu segmento de telas e um declínio no lucro da divisão móvel em meio a crescente competição do segmento premium", reportou nesta quinta-feira (26) por meio de comunicado.

De acordo com a própria Samsung, os lucros do segmento de telas foram "afetados pela baixa demanda para seus painéis flexíveis OLED . Sob a previsão de que essa demanda ainda se mantenha fraca no segundo trimestre, a companhia disse que trabalhará para reduzir custos e aumentar a eficiência. A fabricante também informou que espera que os resultados móveis do segundo trimestre caiam trimestralmente, devido à desaceleração nas vendas de seus principais smartphones, incluindo o Galaxy S9, além de maiores despesas de marketing.

De forma geral, a Samsung reportou lucro de 15,64 trilhões de Won coreanos, cerca de US$ 14,45 bilhões, para os três primeiros meses, um crescimento de 58% no ano. 

A margem operacional da divisão de chips da Samsung subiu acima de 55%. Trata-se da mais alta, em pelo menos cinco anos, de acordo com cálculos da Gadfly. O herói que salvou a Samsung nesse trimestre não são nem os chips que alimentam smartphones, PCs e tablets, mas sim aqueles que equipam servidores robustos e cards gráficos. 

Analistas acreditam que as margens elevadas da divisão de chips da Samsung não se sustentem durante muito tempo. Entretanto, a medida que a demanda por computação de alto desempenho para propósitos de inteligência artificial e aprendizado de máquina se popularizam, há boas chances da sul-coreana surfar, novamente, com números positivos para seus acionistas.