Resumo da semana: Zuckerberg na berlinda, Netflix rompe com Cannes e Paranoia com IA

Carla Matsu
14 de abril de 2018 - 14h00
Separamos 5 notícias que marcaram a semana no mundo da tecnologia: As audiências do CEO do Facebook no Congresso, ataque hacker, Netflix sem Palma de Ouro e mais...

Imagem/Reprodução Reddit

Há boas chances de que nesta semana que se passou você tenha sido impactado pela avalanche de notícias protagonizadas pelo CEO do Facebook, Mark Zuckerberg. E não à toa. O escândalo envolvendo o uso indevido de dados de 87 milhões de perfis de usuários da rede social pela consultoria Cambrigde Analytica chegou até o Congresso americano, onde durante dois dias o executivo teve que prestar esclarecimentos para quase 100 representantes. Zuckerberg, em diversas ocasiões, se viu acuado. Nestas duas listas recapitulamos os principais pontos levantados na audiência de Zuckerberg:

5 coisas que você talvez tenha perdido sobre o depoimento de Zuckerberg ao Senado

Regulação, vigilância e desconforto: o que rolou no 2º depoimento de Zuckerberg

E claro, como tudo hoje em dia é passível de virar meme, Mark Zuckerberg não ficou imune à criatividade dos internautas

Mark-tuite

mark-bday-meme

Netflix rompe com Cannes - Mas não foram só os vacilos do Facebook que pontuaram a editoria de tecnologia com desconforto. A Netflix, por exemplo, anunciou que não participará da edição deste ano do prestigiado Festival de Cinema de Cannes. O motivo? A companhia não concorda com as rígidas regras estipuladas de exibição de Cannes para participar da mostra. No ano passado, o serviço de streaming contou com dois títulos originais seus na premiação, este ano não terá nenhum apesar de cada vez mais apostar na criação de conteúdo próprio. Explicamos esta história aqui

"Não mexam com nossas eleições", pedem hackers - Cibercriminosos direcionaram um ataque massivo aos switches da Cisco, identificou a empresa de cibersegurança Kaspersky Lab. Eles exploraram uma falha no software Cisco Smart Install Client e executando códigos nos aparelhos vulneráveis. Dado o seu senso de autoria e humor, eles ainda rescreveram a imagem do software Cisco IOS e alteram o arquivo de configuração, deixando o switch indisponível e uma mensagem de alerta: “Não mexa com nossas eleições”. Caracteres simulavam ainda uma bandeira dos Estados Unidos. A Kaspersky informou que o ataque foi direcionado aos russos, mas há outros alvos em menor escala. Para ler mais sobre o ataque, acesse o link

Sorria, estamos te filmando com inteligência artificial =] - Se a vida imita a ficção, há de se prestar atenção ao pesadelo que alguns capítulos podem assumir na história da humanidade. Tome como exemplo a história de que na China, um homem foragido da polícia foi pego enquanto estava em uma multidão de aproximadamente 60 mil pessoas. Até aí, OK. Entretanto, o sujeito foi identificado através de câmeras alimentadas com sistema de reconhecimento facial. Ponto para polícia? Talvez. Mas a questão levantada com o episódio traz preocupação acerca da privacidade e segurança de cidadãos. Estaremos sob uma constante vigilância no futuro? O debate não é de hoje, claro, mas no mesmo país autoridades têm utilizado sistemas com inteligência artificial para controlar e punir, digamos, maus comportamentos da população. Um cidadão chinês que for pego atravessando a rua fora da faixa, por exemplo, pode receber uma multa em casa. Se ele não honrar com o pagamento, ele será penalizado de diferentes formas em uma espécie de descrédito social. Muito Black Mirror, não? 

"Desculpa, você foi afetado" - Lembra daquele vazamento massivo do Uber escondido pela própria companhia? Pois é, agora eles estão avisando aqueles que foram afetados pela brecha. Nesta semana, usuários do Uber no Brasil que tiveram seus dados vazados na brecha de segurança ocorrida em 2016 começaram a receber e-mails que avisam se foram vítimas e tiveram suas informações expostas. A mensagem de aviso às vítimas faz parte de um acordo do Uber com a Comissão de Proteção dos Dados Pessoais do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). No comunicado enviado a usuários, a companhia pede desculpas e afirma que dados como nome, e-mail e telefone celular foram comprometidos. Entretanto, a empresa alega que não foi identificada nenhuma fraude relacionada ao incidente, "especialistas externos não identificaram nenhum indício de download de históricos de locais de viagens, números de cartões de crédito e contas bancárias ou datas de nascimento", completa a companhia. Você pode lembrar desta história aqui