8 dicas para evitar ciladas na hora de investir em criptomoedas

Da Redação
09/04/2018 - 13h53
CSO do Mercado Bitcoin, Galeno Garbe, elencou as principais medidas para investir com segurança nas moedas digitais

Na carona da popularização das moedas digitais, muitas pessoas têm buscado entender o emergente mercado das criptomoedas para, eventualmente, investir economias em suas primeiras carteiras. Entretanto, assim como qualquer outra transição online, a negociação desses ativos digitais deve passar pela peneira da segurança da informação, alerta Galeno Garbe, CSO da exchange Mercado Bitcoin.

“A proteção de dados pessoais é fundamental na internet, na medida em que o volume e a sofisticação dos ataques e fraudes online crescem de forma exponencial”, afirma Garbe.

Quem investe ou planeja investir em criptomoedas precisa ter em mente que um dos cuidados essenciais para evitar problemas é reforçar os cuidados com a cibersegurança.

Pensando nisso, Garbe lista oito dicas de como evitar dores de cabeça que podem surgir das negociações de moedas digitais:

1. Escolha uma exchange (corretora) confiável: Na hora de escolher uma corretora para negociar as moedas digitais, o usuário precisa buscar informações sobre a reputação da empresa e entender se a mesma tem uma infraestrutura tecnológica confiável e segura, com equipes dedicadas.

2. Navegue em sites seguros: Jamais clique em links inseridos em e-mails com propostas de investimentos em criptomoedas e evite fazer negociações em sites desconhecidos. Uma forma de validar o endereço eletrônico é digitá-lo diretamente no navegador.

3. Crie uma senha forte: No momento de cadastrar-se na corretora para comprar as moedas digitais, o investidor deve escolher uma senha de acesso com 15 caracteres ou mais, que combine números, símbolos, letras maiúsculas e minúsculas. É importante também que nunca compartilhe esta senha e não a utilize em outros serviços, como e-mails e acesso a perfis em redes sociais. 

4. Use a autenticação em dois passos: O internauta deve instalar um aplicativo que realize esse tipo de autenticação, no qual, além de login e senha, deve fornecer um token – uma sequência de números que aparece no aplicativo de celular no momento de cada login. 

5. Utilize um sistema para monitorar vazamento de senhas online: Vale utilizar serviços online gratuitos que notificam o internauta sempre que suas senhas vazam na internet, o que permite trocar imediatamente a senha – e não reutilizá-la – quando isso acontece. Alguns exemplos de sites que oferecem esse serviço são o https://haveibeenpwned.com/NotifyMe e https://minhasenha.com.

6. Evite utilizar computadores de outras pessoas: Sempre que for acessar a corretora de moedas digitais, o usuário deve utilizar seu próprio computador e evitar equipamentos de terceiros. Caso seja necessário acessar o site de um PC de outra pessoa, certifique-se de sair do serviço e não salvar senhas ou informações. Se for estritamente necessário fazer um de um computador compartilhado, faça uso da função "navegação anônima”. Ao concluir, feche completamente o navegador.

7. Um bom antivírus sempre ajuda: Utilize um bom antivírus e instale todas as atualizações solicitadas pelo sistema. No caso de máquinas Windows, o Defender (Gratuito) funciona perfeitamente. Entenda também que um antivírus não é impenetrável, portanto baseie sua segurança ao seu comportamento online mais do que na solução antivírus. 

8. Não se conecte a redes Wi-Fi abertas: Na hora de acessar a Exchange, o internauta não deve usar redes Wi-Fi abertas (aquelas que não pedem senhas para a conexão inicial). Nesses casos, dê prioridade ao 4G do smartphone e o utilize como um roteador. Quando for "inevitável" usar o Wi-Fi público, é importante só acessar serviços em sites que utilizem HTTPS/SSL (cadeado no site).