Como o blockchain pode ajudar a economia de confiança na internet

Lucas Mearian, Computerworld EUA
11 de dezembro de 2017 - 10h43
Nos próximos anos, as empresas se voltarão cada vez mais à tecnologia para estabelecer confiança entre as partes que procuram transferir desde dinheiro até propriedades

Nos próximos dois anos, espera-se que as empresas intensifiquem seus esforços para testar a tecnologia blockchain como parte de um novo método para estabelecer confiança em uma economia digital.

Nova pesquisa da consultoria Deloitte LLP mostra que a chamada "economia de confiança" agora está se desenvolvendo em torno de transações de pessoa para pessoa (P2P) habilitadas pela tecnologia blockchain e não dependem de métodos mais tradicionais, como classificações de crédito ou garantia de cheques de caixa.

"Em vez disso, depende da reputação e da identidade digital de cada transação, cujos elementos podem ser armazenados e gerenciados em uma cadeia de blocos", disseram analistas da Deloitte em um relatório.

Para os consumidores, os elementos de confiança podem incluir histórico financeiro ou profissional, informações fiscais, informações médicas ou preferências do consumidor. Já as empresas podem manter suas identidades de reputação que estabeleçam sua confiança como parceiro comercial ou fornecedor.

Como o blockchain constrói a confiança

O blockchain é um livro-razão eletrônico público - semelhante a um banco de dados relacional - que pode ser compartilhado abertamente entre diferentes usuários para criar um registro imutável de suas transações, cada um marcado e vinculado ao anterior. Cada registro ou transação digital no segmento é chamado de bloco (daí o nome); ele permite que um conjunto aberto ou controlado de usuários participe do livro eletrônico. Cada bloco está ligado a um participante específico.

Assim, o blockchain só pode ser atualizado por consenso entre os participantes no sistema, e quando novos dados são inseridos, ele nunca poderá ser apagado. O bloco contém um registro verdadeiro e verificável de cada transação já feita no sistema.

Como uma rede peer-to-peer, combinada com um servidor distribuído, os bancos de dados blockchain podem ser gerenciados de forma autônoma para trocar informações entre partes diferentes. Não há necessidade de um administrador. Com efeito, os usuários do blockchain assumem o papel de administrador.

Na economia de confiança, a "identidade" de um indivíduo ou entidade confirma a adesão a uma nação ou comunidade; propriedade de ativos; direito a prestações ou serviços; e, mais fundamentalmente, como evidência de que a pessoa ou entidade existe, de acordo com a Deloitte.

Neste contexto, o blockchain não resolve apenas problemas de acesso ou compartilhamento de dados; ele também resolve um problema de confiança.

Na economia de confiança P2P, um usuário individual - não um terceiro - determinará quais informações digitais são registradas em uma cadeia de blocos e como essas informações serão usadas. Os usuários do blockchain, diz a Deloitte, trabalharão para criar uma representação digital única e versátil que possa ser gerenciada e compartilhada entre os limites organizacionais.

Com esse tipo de identidade, os usuários podem registrar:

  • Rendas digitalizadas de documentos de identidade tradicionais, como licenças de motorista, passaportes, certificados de nascimento, previdência social e plano de saúde, informações de cadastro eleitoral e registros de votação;
  • Documentos de propriedade e registros transacionais de imóveis, veículos e outros ativos;
  • Documentos financeiros, tais como investimentos, apólices de seguro, contas bancárias, histórico de crédito, arquivamento de impostos e demonstrações de resultados;
  • Códigos de gerenciamento de acesso que fornecem qualquer local de restrição de identidade, desde o login único do site até edifícios físicos, veículos inteligentes e locais com boleto, como locais de eventos ou aviões;
  • Um histórico médico abrangente que inclui registros médicos e farmacêuticos, receitas médicas, rotinas de exercícios e dados de uso de dispositivos médicos;

Em suma, como um repositório de dados valiosos, o blockchain pode fornecer aos usuários individuais um controle sem precedentes sobre suas identidades digitais. No entanto, espera-se que as empresas encontrem usos variados para a tecnologia ainda emergente.

No contexto da economia de confiança, a Deloitte compara o blockchain com os livros públicos que foram usados ​​nas cidades para registrar tudo de importância: a compra e venda de bens; a transferência de ações de propriedade; nascimentos, casamentos e óbitos; empréstimos; resultados eleitorais e decisões legais.
 
Em vez de uma pessoa ou entidade que atua como detentora de registros, uma cadeia de blocos usa criptografia avançada e programação distribuída para obter resultados semelhantes: "um repositório de verdade seguro, transparente e imutável, projetado para ser altamente resistente a interrupções, manipulação e complexidade desnecessária", explica a Deloitte.
 
"A tendência do blockchain na economia de confiança representa uma mudança de poder notável de grandes agentes de confiança centralizados para o indivíduo", afirmou Deloitte. "E, embora suas implicações mais amplas possam não ser totalmente compreendidas nos próximos anos, dificilmente é um prenúncio de morte para bancos, agências de crédito e outros intermediários transacionais. Isso pode significar, no entanto, que, com o blockchain como o porteiro da identidade e da confiança, as empresas e o governo terão de criar novas formas de envolver o indivíduo - e agregar valor e utilidade na economia de confiança em rápida evolução".