Criador do Twitter diz que foco em cliques deixa o mundo mais estúpido

Da Redação
15 de setembro de 2017 - 19h08
Em entrevista para a BBC, Evan Williams criticou a qualidade da informação consumida pela Internet e citou eleição de Trump como exemplo do problema.

O cofundador e ex-CEO do Twitter, Evan Williams, afirmou nesta semana que a eleição de Donald Trump como presidente dos EUA em 2016 é uma prova de como as redes sociais estão ajudando a “deixar o mundo mais estúpido”. As informações são do jornal britânico The Guardian.

Em uma entrevista recente para o programa Today, da BBC 4 Radio, Williams discordou de uma afirmação do próprio Trump, que disse que não teria derrotado Hillary Clinton se não fosse pelo Twitter.  “O maior problema não é o Donald Trump usando o Twitter em sua eleição, mesmo ele dizendo isso; é a qualidade da informação que nós consumimos que está reforçando crenças perigosas e isolando as pessoas e limitando a abertura da mente e o respeito das pessoas pela verdade”, afirmou. 

Williams, que fundou a plataforma de blogs Medium em 2012, afirmou ainda que o ecossitema de mídia também tem culpa no cartório em sua busca incessante por cliques a qualquer custo. “Há um ecossistema de mídia que suportado e depende de atenção para prosperar, ponto. E é isso que está nos deixando mais estúpidos e não mais inteligentes, e o Donald Trump é um sintoma disso. Não penso que o Twitter seja o pior caso disso. É a mídia impulsionada por anúncios que publica coisas a todo minuto e a sua única medida é alguém clica ou não naquilo.”

Como exemplo, Williams diz que citar os tuítes de Trump ou a última estupidez que qualquer político ou celebridade disse na Internet é uma forma eficiente de explorar os instintos mais básicos das pessoas nessa busca por atenção. “E isso está deixando o mundo mais estúpido.”

Informação e fake news

Durante a entrevista, o cofundador do Twitter também falou sobre sua desilusão com algumas coisas na Internet. “Uma das grandes lições que aprendi nas últimas duas décadas é que apenas o acesso à informação não nos deixa mais inteligentes. Todo esse lance das fake news é uma pequena parte disso; uma parte ainda maior disso é a qualidade e a profundidade da informação. Ela (informação) está realmente desenvolvendo ou aprofundando nossa compreensão do mundo ou é apenas barulho?”.