Para presidente do JPMorgan, bitcoin é uma fraude e vai 'explodir'

Da Redação
13/09/2017 - 14h45
Em conferência, Jamie Dimon disse que criptomoeda atende um mercado limitado, útil para 'drogas e assassinos'. Cotação do bitcoin atingiu valor recorde em agosto

O CEO do JPMorgan Chase & Co., Jamie Dimon, teceu algumas declarações polêmicas acerca do bitcoin nessa terça-feira (12/09).

Convidado para falar em uma conferência de investidores em Nova York, o executivo disse que a moeda digital é uma fraude e que ela "não vai acabar bem".

"Vocês não podem ter um negócio em que as pessoas podem inventar uma moeda a partir do nada e achar que as pessoas que a estão comprando são realmente inteligentes", declarou.

Dimon seguiu dizendo que se algum operador do banco fosse pego negociando a criptomoeda, ele seria demitido em um segundo. E deu duas razões para isso: “é contra nossas regras e eles são estúpidos, e ambas as coisas são perigosas".  

Lançada em 2010, a moeda digital permite que usuários transfiram valores entre si ou paguem por produtos e serviços, sem precisar passar pelo sistema financeiro tradicional. 

Nos últimos meses, o bitcoin passou por sua maior valorização, mais que quadruplicando de valor desde dezembro. Em agosto, bateu o recorde de US$ 4.100. Hoje, um bitcoin é cotado em US$ 3.843,66. Após as declarações de Dimon, o valor da moeda, inclusive, chegou a cair 2,7% antes de recuperar. Na semana passada, também experimentou queda depois de a imprensa internacional reportar que a China planejava banir seu uso em negócios locais. 

Para o presidente-executivo, o bitcoin atenderia a um mercado limitado e associou a moeda a transações ilegais. "Se você estivesse na Venezuela ou no Equador ou na Coréia do Norte ou em regiões como essas, ou se você fosse um traficante de drogas, um assassino, assim, é melhor fazê-lo em bitcoin do que em dólares", disse. "Então, pode haver um mercado para isso, mas seria um mercado limitado".

Muitos analistas defendem que uma das razões que impulsionou o bitcoin foi a maior aceitação da tecnologia blockchain, que sustenta as transações da moeda virtual. O próprio JPMorgan e muitos outros bancos investiram na tecnologia. 

Dimon ainda previu grandes perdas para os compradores da bitcoin. "Não me peça para resumir. Ela pode chegar a 20 mil dólares antes disso acontecer. Eventualmente vai explodir", destacou.