Para concorrer com YouTube, Facebook busca acordo milionário com gravadoras

Da Redação
06/09/2017 - 12h04
Segundo Bloomberg, rede social de Mark Zuckerberg estaria em negociação com grandes gravadoras para liberar uso de músicas em vídeos pessoais de usuários

Quando você pensa em assistir vídeos na Internet, é provável que a primeira URL que vem em sua mente é o YouTube, certo? Talvez você ainda considere o Netflix ou Vimeo, para alguns vídeos específicos, mas é certo que o Facebook quer ocupar uma posição mais à luz quando internautas buscam conteúdo em vídeo.

Segundo informações da Bloomberg, a companhia de Mark Zuckerberg está se preparando para uma batalha contra a plataforma de vídeos do Google e para isso estaria disposta a pagar milhões à indústria fonográfica por direitos autorais. Assim, a rede social não precisaria se preocupar em remover conteúdo por infringir direitos autorais.

Ao mesmo tempo, seria um estímulo a produtores publicarem conteúdo original no Facebook, da mesma forma que o fazem no YouTube. 

Mas pagar milhões a gravadoras seria uma estratégia a curto prazo, isso porque o Facebook espera construir um sistema para identificar vídeos com conteúdo protegido por direitos autorais, semelhante ao sistema de identificação do Google, reporta a Bloomberg. Com isso, a empresa poderia responsabilizar individualmente aqueles que usarem conteúdo protegido.

Vale lembrar que a rede social tem concentrado esforços em iniciativas prioritárias para vídeo. Em agosto, começou a disponibilizar nos Estados Unidos a sua plataforma de vídeos Watch, financiando, inclusive, algumas produções originais. Um acordo com grandes gravadoras aconteceria a tempo para estimular novas produções exclusivas para o Facebook. 

Se o Facebook começar a extrair os milhões de dólares de publicidade do YouTube, além de proteger os direitos autorais da indústria, a empresa poderia atrair ainda mais usuários por longos períodos de tempo e efetivamente competir com qualquer outra forma de mídia online.

Parte desse processo poderia envolver um acordo com a Vevo, que detém direitos a mais de 200 mil vídeos de artistas e selos ao redor do mundo. Coincidentemente, o contrato de exclusividade da Vevo com o YouTube encerrou neste ano. Algo que daria ao Facebook a oportunidade de negociar um novo acordo com a companhia.