Cientistas invadem computador usando malware codificado em cadeia de DNA

Da Redação
11 de agosto de 2017 - 14h39
Equipe explorou vulnerabilidade de segurança conhecida e a incluiu em um programa de processamento de DNA

Pesquisadores da Universidade de Washington conseguiram infectar um computador usando um malware codificado em uma cadeia de DNA. Os resultados foram publicados em um artigo recente.

A equipe explorou uma vulnerabilidade de segurança conhecida e a incluiu em um programa de processamento de DNA antes de criar uma cadeia sintética de DNA incorporando nela o código malicioso. 

Um computador, então, analisou o fio de DNA infectado e, consequentemente, os pesquisadores conseguiram explorar remotamente o computador. 

As unidades estruturais básicas do DNA são chamadas nucleotídeos e são armazenadas como letras A, C, G e T. O sequenciamento permite aos cientistas determinar a ordem dos nucleotídeos, o que, por sua vez, significa que é possível analisar a informação genética transmitida.

Programas de computador entram em cena para processar e analisar os dados sequenciados do DNA. A tecnologia conseguiu não só baratear o processo todo, como agilizá-lo. Centenas de milhões de cadeias de DNA podem ser processados ​​ao mesmo tempo. 

No artigo, os pesquisadores escrevem que o objetivo da pesquisa era entender quais são os possíveis novos riscos de cibersegurança na interação entre informações biomoleculares e os sistemas que os analisam.

O experimento bem-sucedido não indica, entretanto e - isso, segundo os autores do artigo -, que há motivo para preocupação. 
 
"Não temos evidências para acreditar que a segurança do sequenciamento do DNA ou dados de DNA em geral está atualmente sob ataque. Em vez disso, consideramos esses resultados como um primeiro passo para pensar sobre a cibersegurança no ecossistema de sequenciamento de DNA", escreveram os cientistas.