Em meio a crise, shoppings brasileiros cogitam taxar vendas on-line

Da Redação
14 de junho de 2017 - 19h21
Grupo de empresas do setor pretende apresentar proposta sobre o assunto para Associação de Shoppings em outubro deste ano.

Em meio a uma das piores crises econômicas do Brasil, shopping centers do país vem discutindo a possibilidade de cobrar uma taxa sobre as vendas on-line retiradas em lojas físicas. As informações são do Valor Econômico.

De acordo com o jornal, executivos de grandes empresas do setor se reuniram em um grupo na Associação Brasileira de Shopping Centers (Abrasce) para pensar em como repartir os ganhos registrados pelo varejo com a venda pela Internet. 

Conforme aponta a reportagem, esse grupo de empresas, que inclui nomes como Iguatemi, BRMalls e Multiplan, deve se transformar em um comitê para apresentar sugestões ao conselho da Associação no próximo mês de outubro.

"Já existem hoje grupos praticando soluções com lojistas, como cobrança de 2% a 3% do valor da nota da venda on-line retirada na loja. Mas mesmo assim, existem vendas que não se 'pega'”, explica o presidente da Abrasce, Glauco Humai, que destaca que a ideia do grupo é “fazer propostas e abrir para diálogo”.

Vale notar que esse modelo de retirada do produto em loja é oferecido por diversos sites de e-commerce, como Americanas, Submarino, Walmart e Casas Bahia, entre outros.