Estado islâmico desenvolve própria rede social para recrutar novos membros

Da Redação
03 de maio de 2017 - 15h35
Indagado sobre as dificuldades em barrar uma plataforma própria do ISIS, diretor da Europol disse não saber ainda se, tecnicamente, será mais difícil derrubá-la

Integrantes do Estado Islâmico estão desenvolvendo sua própria rede social, segundo o Serviço Europeu de Polícia (Europol). A plataforma foi descoberta durante uma operação de 48 horas contra o extremismo na internet na última semana, informou o diretor da Europol, Rob Wainwright nesta quarta-feira (03). As informações são da agência Reuters. 

A ação coordenada pela Europol contra o Estado Islâmico e a Al Qaeda envolveu agentes dos Estados Unidos, Bélgica, Grécia, Polônia e Portugal e identificou mais de 2 mil itens extremistas hospedados em 52 plataformas de rede social.

Ao criar uma rede social própria, terroristas não precisarão, na teoria, depender mais de suas contas no Facebook, Twitter e Telegram - plataformas que têm usado para recrutar novos membros. Tais companhias têm aumentado seus esforços para derrubar perfis que compartilham material terrorista. No ano passado, o ISIS divulgou vídeo onde ameaçava Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, após a rede social aumentar o cerco contra a divulgação de propaganda terrorista. 

Neste ano, o Twitter anunciou que removeu cerca de 250 mil contas ligadas ao ISIS. Grupos extremistas têm usado todas as vantagens da Internet para compartilhar seus ideais  e ameaças, incluindo streaming ao vivo dos seus ataques e campanhas de crowdfunding.

Para Wainwright, ao criar um serviço próprio o estado islâmico responde à pressão de agências de inteligência, forças policiais e o próprio setor de tecnologia. 

Indagado sobre as dificuldades em barrar uma plataforma própria do ISIS, o diretor da Europol disse não saber ainda se, tecnicamente, será mais difícil derrubá-la.