Após críticas, Twitter volta atrás em recurso contra abusos on-line

PC World / EUA
14 de fevereiro de 2017 - 14h38
Plataforma social foi rápida para tirar do ar ferramenta que deixava de notificar usuários quando eles eram colocados em listas.

O Twitter retirou do ar uma nova solução voltada para evitar abusos apenas algumas horas após a novidade ser alvo de protestos, um reflexo de como a empresa ainda está se debatendo para encontrar soluções para o problema de abuso e assédio em seu serviço, mas está disposta a fazer mudanças rapidamente em resposta aos seus usuários.

A plataforma social lançou nesta segunda-feira, 13/2, um novo recurso que assegura que os usuários não sejam notificados ao serem adicionados a uma lista no serviço. “Queremos que você receba notificações que importam. A partir de hoje, você não será notificado quando for adicionado a uma lista”, informou a empresa por meio da sua conta Twitter Safety. 

Um usuário criticou a ferramenta e afirmou que era essencial para as pessoas saberem se foram adicionadas a uma lista voltada para alvos. “Isso é cegar os vulneráveis”, afirmou, sugerindo que a abordagem correta seria permitir que as pessoas se removessem dessas listas ou fazer isso ao bloquear o dono da lista. “Estou em muitas listas e não quero estar em nenhuma delas.”

O VP de engenharia do Twitter, Ed Ho, rapidamente descreveu a iniciativa como um “passo em falso” e disse que a empresa estava revertendo a alteração, enquanto que o CEO Jack Dorsey afirmou que “estamos revertendo e removendo o que nos trouxe até aqui”.

Muitos usuários chegaram a fazer piada com o Twitter por sequer considerar adotar a mudança, com alguns deles questionando se a empresa compreendia a própria plataforma e as preocupações dos usuários.

O Twitter anunciou no mês passado que iria lançar novos recursos ao serviço para lutar contra abusos. A empresa não forneceu detalhes das mudanças, mas afirmou que iria liberar algumas das alterações nos próximos dias e semanas. 

A empresa anunciou recentemente que está adotando medidas para identificar pessoas que tenham sido permanentemente suspensas e impedi-las de criar novas contas, com um foco em contas que são criadas apenas para assediar e incomodar outras pessoas. A companhia também disse que está trabalhando em uma ‘busca segura’ que remove tuítes com conteúdo potencialmente sensível ou que venham de contas bloqueadas e mudas, além de identificar e barrar respostas potencialmente abusivas ou de baixa qualidade.