Twitter focará em machine learning para entregar experiência mais personalizada

Da Redação
10 de fevereiro de 2017 - 12h36
CEO Jack Dorsey destacou que investimentos em IA visam melhorar a experiência do usuário na rede social, o que deve trazer resultados positivos aos investidores

O último balanço financeiro do Twitter ficou abaixo do esperado pelos analistas de mercado. A plataforma registrou receita de 717 milhões de dólares no quarto trimestre do ano passado, um ganho de apenas 1% em relação ao mesmo período de 2015 e menos do que os 740 milhões de dólares esperados por Wall Street.

No entanto, o CEO da companhia Jack Dorsey insiste que nem tudo está perdido e que a esperança está no aprendizado de máquina. 

“A medida que eu olho para 2017 e nós olhamos sobre o que podemos fazer, eu penso no superpoder que realmente podemos oferecer ao mundo que é dar notícias em tempo real e levar informação às pessoas de forma mais rápida que qualquer serviço no mundo”, disse Dorsey durante a reunião com analistas nesta quinta-feira. 

A ideia de Dorsey é usar aprendizado de máquina para fazer uma melhor curadoria do conteúdo do Twitter para seus usuários.

“E para que possamos fazer isso, as pessoas precisam trabalhar muito para cavar tudo que pode não importar para elas para encontrar algo que realmente importa. E é por isso que eu estou animado sobre realmente ter certeza que nós podemos aplicar inteligência artificial e aprendizado de máquina do jeito certo e que nós realmente podemos encontrar aquele superpoder de ser aquele passarinho que lhe conta sobre algo que você não poderia encontrar em nenhum lugar. 

O Twitter começou a dar sinais de que tinha pretensões em agregar machine learning aos seus serviços quando adquiriu no ano passado a startup Magic Pony Technology, que desenvolveu tecnologia de leitura de imagens. Na mesma época, a companhia destacou duas aquisições passadas com foco na mesma tecnologia, no caso a Madbits em 2014 e a Whetlab em junho de 2015.

Apesar dos ganhos abaixo do esperado, o Twitter aumentou o seu número de usuários. Nos últimos três meses, a rede social ganhou 2 milhões de novos usuários, o que deixa a empresa com cerca de 319 milhões de usuários ativos mensais. O número ficou dentro da expectativa do mercado, que apontava um crescimento entre 2 e 3 milhões de usuários no serviço.

Dorsey ainda disse que os investimentos em machine learning visam melhorar a experiência do usuário como um todo.

O executivo disse que o Twitter está olhando todas as oportunidades para organizar tuítes ao redor da relevância para seus usuários, o que inclui “interesses e as paixões das quais as pessoas se preocupam”. 

“Aprendizado de máquina é crucial para melhor identificarmos e personalizarmos o conteúdo que as pessoas querem ver e entregá-lo de forma mais rápida. Para fortalecer nossa abordagem, combinamos nossos esforços com um líder que nos ajudará a construir uma base de aprendizado de máquina em nossos produtos e geração de receita e criar uma abordagem mais focada e orientada a dados para o desenvolvimento de produtos”, acrescentou Dorsey na carta aos acionistas. 

O executivo revelou ainda que o Twitter contratou Jan Peterson para assumir os esforços em deep learning e inteligência artificial.