Após reunião com Trump, Intel anuncia investimento bilionário em nova fábrica

Agam Shah, IDG News Service
09 de fevereiro de 2017 - 14h52
CEO Brian Krzanich se reuniu com Donald Trump antes da companhia anunciar investimento de US$ 7 bilhões para a construção de fábrica no Arizona

A reunião entre o CEO da Intel Brian Krzanich com o novo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi seguida de um grande anúncio: a companhia investirá US$ 7 bilhões nos próximos três a quatro anos para a finalização de uma fábrica de chips 7-nanômetros. 

A conclusão da chamada Fab 42, onde os chips serão feitos, irá criar cerca de 3 mil empregos em Chandler, Arizona, informou a Intel. A fabricante ainda disse que espera ajudar a criar 10 mil empregos relacionados às atividades da Fab 42. 

Trump tem batido na tecla da criação de empregos nos Estados Unidos e para levar a fabricação de volta ao país.

Ao dar este anúncio depois de uma reunião com o atual presidente, a Intel amplia seus esforços em promover a si mesma como uma criadora de empregos.

No entanto, vale lembrar que no ano passado, a companhia cortou mais de 12 mil funcionários para reestruturar suas operações. Da mesma forma, não é a primeira vez que a Intel se comprometeu a criar empregos e investir bilhões para a Fab 42. A companhia fez um anúncio similar em 2011, que depois foi recuado.  

Em fevereiro de 2011, o então CEO Paul Otellini anunciou que a companhia estava investindo US$ 5 bilhões para completar a Fab 42 para fabricar chips 14 nm e criar 4 mil empregos. O anúncio foi feito durante a visita do ex-presidente Barack Obama à fábrica da Intel em Hillsboro, Oregon. 

A Intel pisou o freio nesse plano em 2014 para manter o espaço disponível "para uma tecnologia futura não especificada". 

A construção da Fab 42 começou em 2011, mas sua conclusão foi atrasada, disse William Moss, representante da Intel em comunicado. 

“Nós estamos fazendo esse investimento em antecipação ao crescimento de nosso negócio”, disse Moss.

Em 2011, a Intel anunciou que a expectativa era que a fábrica crescesse a frente de negócios mobile. Mas a companhia agora parou de fabricar chips para smartphones e, ao invés, focou seu crescimento em Internet das Coisas, servidores, automotivo e outros mercados. 

Trump disse que o anúncio é uma “grande coisa” para o Arizona. “Nós estamos, e eu posso dizer a vocês que as pessoas do Arizona estão muito felizes”, acrescentou. 

O anúncio da Intel é o último de uma onda de otimismo econômico desde que Trump assumiu a presidência, disse Sean Spicer secretário de imprensa da Casa Branca. 

Além dos Estados Unidos, a Intel ainda opera fábricas na China, Vietnã, Malásia, Israel e Irlanda. 

A maior parte do design dos chips da Intel é feita em Israel e a companhia está fabricando seu último Optane em Dalian, China. 

Com frequência, a Intel inicia novas fábricas para criar chips menores e mais eficientes. A fábrica de 7-nm é um grande investimento e poderia levar a baterias de maior duração para dispositivos menores. 

Os chips de 7-nm serão feitos para PCs, sensores e outros dispositivos de alta tecnologia. Os chips permitirão “coisas como inteligência artificial, carros mais avançados e serviços de transporte, inovações em pesquisa médica e tratamento e mais”, disse Krzanich aos seus funcionários em um e-mail. 

Há duas semanas, a Intel disse que estava construindo uma planta piloto para fabricar chips de teste 7-nm. Atualmente, a companhia vende chips 14-nm para PCs, servidores e chips para IoT e espera começar a enviar seus modelos 10- nm chamados de Cannonlake até o final do ano.  

O anúncio também dá um prazo para quando a Intel fabricará seus primeiros chips 7-nm. A companhia deve lançar três ou mais arquiteturas de chips no processo 10-nm, da mesma forma que fez com o 14-nm, antes de trocar integralmente para os de 7-nm.