"Uber das imobiliárias", QuintoAndar já tem fila de 2 mil corretores

Luiz Mazetto
24/01/2017 - 17h29
Criada em 2012, startup brasileira recebeu R$70 milhões em investimentos em 2016, quando cresceu 25% ao mês. App do serviço para iOS foi premiado pela Apple.

Prestes a embarcar para o concorrido programa global de aceleração do Google, o Launchpad Accelerator, com início marcado para o próximo dia 30, a startup brasileira QuintoAndar inicia 2017 cheia de motivos para comemorar. Fundada em 2012 pelos amigos André Penha e Gabriel Braga, a companhia se destacou rapidamente no mercado nacional ao usar a tecnologia para facilitar o processo de aluguel de imóveis em São Paulo, o que a levou até a ser chamada de “Uber das imobiliárias”.

Entre os principais diferenciais que permitem essa velocidade todo e ajudaram a impulsionar o QuintoAndar nos últimos anos estão a possibilidade de fazer todo o agendamento das visitas e a negociação online, diretamente pelo site ou pelo aplicativo móvel, que inclusive foi escolhido um dos melhores apps para iOS de 2016 pela Apple, e o fato de oferecer um fotógrafo que tira fotografias profissionais dos imóveis que serão listados na plataforma.

 “A gente sempre pensa em como aumentar cada vez mais a eficiência da plataforma”, explica Penha, que atualmente conta com uma equipe de TI com 36 engenheiros, 7 designers e 8 gerentes de produtos. Mesmo com o número significativo, o cofundador e CEO ainda quer mais. “O que mais quero é contratar novos engenheiros.” O executivo também destaca a padronização de alguns aspectos, como as fotografias profissionais no mesmo estilo para todos os imóveis, como uma forma de facilitar e tornar mais simples o processo para todas as partes.

Além disso, duas facilidades mais recentes tiveram um peso especial no crescimento da startup em 2016: uma ferramenta para a assinatura eletrônica dos contratos, sem que seja preciso ir ao cartório, e o fato da companhia bancar 100% do valor do seguro-fiança para os inquilinos, eliminando assim a necessidade de fiador - com isso, o proprietário do imóvel fica como segurado ao longo de todo o contrato de locação.

Vale notar que a empresa cobra 100% do primeiro aluguel pela intermediação da locação (taxa de corretagem) e 8% do aluguel mensal pela administração do imóvel.

andregabriel5andar_625.jpg

André Penha (esq) e Gabriel Braga, os fundadores do QuintoAndar

Fila

O sucesso é tanto que a empresa já possui uma fila de mais de 2 mil corretores de imóveis querendo trabalhar com a plataforma, que atualmente está presente na grande São Paulo (São Paulo, Barueri, Guarulhos, Osasco, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul) e em Campinas, cidade onde tudo começou. 

Um dos motivos dessa procura toda é o fato de o QuintoAndar ser até 10 vezes mais rápido do que as imobiliárias tradicionais, conseguindo alugar um imóvel em uma média de 4 dias - o recorde da empresa até hoje foi alugar um apartamento em uma hora e meia após o cadastro no site. Como atuam em áreas específicas das cidades, os corretores conseguem atender mais clientes por dia, ajudados ainda pelo sistema online de agendamento e pelo aplicativo móvel da empresa, que otimiza suas rotas e agendas.

Investimento, crescimento e nova sede

Apenas em 2016, a companhia recebeu duas rodadas de investimentos de fora do país, sendo uma de 7 milhões de dólares em fevereiro e outra de 12,6 milhões de dólares em novembro, totalizando cerca de 70 milhões de reais na temporada.

Após registrar uma média de crescimento de 25% ao mês no número de contratos assinados, o QuintoAndar fechou 2016 com números aproximadamente 10 vezes maiores do que os registrados no final do ano anterior, de acordo com Penha.

Com tudo isso, no ano passado foi preciso mudar para uma sede nova, na região da Avenida Paulista, que rapidamente ficou pequena, obrigando a empresa a alugar outro andar no mesmo prédio para acomodar os seus mais de 130 funcionários.

Para 2017, o QuintoAndar planeja ir para outros estados do Brasil, mas de forma cautelosa. “Precisamos ter densidade em qualquer cidade em que atuamos”, explica Penha, que não revela ainda quais serão os próximos destinos da startup.