Governo não voltará atrás em prazo de cartão, afirma Meirelles

Da Redação
21/12/2016 - 15h34
Em entrevista, ministro da Fazenda disse que diminuição de 30 para 2 dias no prazo de pagamento das emissoras de cartão aos lojistas depende apenas do CMN.

E a novela continua. O governo afirmou nesta quarta-feira, 20/12, que não vai recuar em relação às mudanças no prazo do pagamento das administradoras para os lojistas, segundo entrevista do, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. De acordo com a Agência Brasil, Meirelles afirmou durante café da manhã com jornalistas que nada mudou no cronograma anunciado na última semana pelo governo.

O ministro afirmou que a diminuição de 30 para 2 dias no prazo de pagamento das emissoras de cartão de crédito, como os bancos e a fintech Nubank, para os lojistas está de pé e depende apenas de uma resolução do do Conselho Monetário Nacional (CMN) para ser fixada

Meirelles ainda disse que o governo espera que os bancos baixem os juros de forma voluntária nos próximos 30 dias. Caso isso não aconteça, o prazo será alterado pela equipe econômica em uma reunião em janeiro.

“O cronograma continua rigorosamente. As medidas serão tomadas de uma forma ou de outra. O importante é que o custo para o consumidor seja menor. Existe um instrumento do CMN para encurtar o prazo [de pagamento ao lojista]. Os bancos definem os juros. Vamos observar a queda. Se não houver queda, diminuímos o prazo”, afirmou.

Por fim, Meirelles afirmou que não acredita que as emissoras de cartão de crédito aumentarão seus juros em uma possível represália a uma eventual diminuição do prazo sem acordo com os bancos.

Nubank

Após ameaçar sair do mercado caso o governo baixasse o prazo de pagamento de 30 dias para 2 dias de forma drástica, o Nubank publicou um comunicado nesta terça-feira, 20/12, dizendo que continua e que veio para ficar. 

Depois, a startup brasileira fez questão de deixar claro que podem ocorrer pequenas mudanças dependendo do que for definido pelo Banco Central. “Apesar de só podermos afirmar se será necessário algum ajuste no nosso modelo de negócios depois da definição de como as mudanças serão implementadas, estamos comprometidos a navegar as mudanças e trabalhar com o Banco Central para garantir que vocês e cada vez mais brasileiros possam se beneficiar de uma experiência 100% digital, eficiente e humana.”