Mark Zuckerberg conclui 'mordomo virtual' que automatiza a própria casa

Da Redação
20/12/2016 - 14h28
CEO do Facebook desenvolveu o bot Jarvis, que controla tarefas da casa como iluminação, música e segurança

No início deste ano, Mark Zuckerberg anunciou que encararia o desafio de construir para si um robô pessoal que conseguisse automatizar algumas funções de sua casa, no melhor estilo "Homem de Ferro". 

Batizado de Jarvis, o mordomo virtual de Zuckerberg parece ter se saído bem com tarefas do dia a dia que vão desde tocar música, controlar a iluminação e até mesmo fazer torradas no café da manhã. 

“Eu gastei cerca de 100 horas construindo o Jarvis neste ano e agora eu tenho um sistema muito bom que me entende e que consegue fazer várias coisas”, escreveu o CEO do Facebook nessa segunda-feira (19).

Em resumo, Zuckerberg se comunica com Jarvis através de texto usando um bot para o Facebook Messenger que ele construiu ou ainda via comandos de voz usando um aplicativo de reconhecimento de voz - também desenvolvido por ele - e programado em múltiplos iPhones colocados ao longo de sua casa. Pense nos iPhones como uma espécie de alto-falante inteligente da Amazon, o Echo. 
 
Jarvis-AI_625
 
É por meio desse sistema que o executivo consegue controlar funções da sua casa. Para ele, poder fazê-lo por meio de um smartphone é essencial, como ele observa: “Para ser útil eu gostaria de conseguir me comunicar com [Jarvis] de qualquer lugar que eu possa estar. Isso significa que a comunicação precisa acontecer através do meu telefone, não um dispositivo localizado na minha casa”, escreveu.
 
Zuckerberg destaca a importância da inteligência artificial em um projeto como o Jarvis. “Mesmo se eu gastasse mais mil horas, eu provavelmente não seria capaz de construir um sistema que consiga aprender habilidades completamente novas por si só - a menos que eu tenha algum avanço fundamental no estado da IA ao longo do caminho”, escreveu acrescentando o destaque da tecnologia para impactar diferentes áreas, desde carros autônomos, cura de doenças, a compreensão da mídia e até na descoberta de planetas.
 

“No geral, este foi um grande desafio. Esses desafios têm uma maneira de me ensinar mais do que eu esperava no início. Este ano eu pensei que eu iria aprender sobre inteligência artificial, e eu também aprendi sobre automação residencial e tecnologia interna do Facebook também”, concluiu. 

Quanto ao próximo desafio de 2017, Zuckerberg afirmou que o anunciará nas próximas semanas.