Banco Central volta atrás em regra e Nubank diz que continua a operar

Da Redação
20/12/2016 - 15h16
Em novo comunicado, fintech diz que "continua e veio para ficar". Banco Central desistiu de mudança drástica que poderia prejudicar competição no setor.

Boa notícia para os usuários do Nubank e outras fintechs da área de cartões de crédito como a Digio. O Banco Central desistiu de diminuir o prazo de pagamento das emissoras de cartão de crédito aos lojistas de 30 dias para 2 dias, como tinha sido sinalizado na última semana pelo presidente Michel Temer. A ideia do órgão é trabalhar junto com as instituições financeiras para que as mudanças sejam feitas de forma sustentável, afim de não prejudicar a concorrência no setor que cresce cada vez mais no país.

Com isso, acaba a possibilidade do Nubank encerrar suas atividades por esse motivo, como tinha sido anunciado nesta segunda-feira, 19/12, pela sua cofundadora, Cristina Junqueira. Na ocasião, a executiva afirmou que a empresa não conseguiria continuar nem mesmo se o governo adotasse um prazo de 15 dias para esse pagamento. “Nós já fizemos algumas simulações. Com dois dias é apagar a luz e fechar a porta. Com 15 dias, a gente precisaria de quase R$ 1 bilhão de capital adicional do dia para a noite”, decretou.

“Continua e veio para ficar”

No entanto, com o recuo do Banco Central, o Nubank já emitiu um comunicado oficial assegurando aos seus usuários que continuará operando normalmente. “Com essa demonstração de que os nossos reguladores, que têm um papel tão importante para o funcionamento do nosso setor, estão comprometidos com o melhor para a economia e o país, podemos afirmar: o Nubank continua, e veio pra ficar”, afirmou a empresa no comunicado.

Depois, a startup brasileira fez questão de deixar claro que podem ocorrer pequenas mudanças dependendo do que for definido pelo Banco Central. “Apesar de só podermos afirmar se será necessário algum ajuste no nosso modelo de negócios depois da definição de como as mudanças serão implementadas, estamos comprometidos a navegar as mudanças e trabalhar com o Banco Central para garantir que vocês e cada vez mais brasileiros possam se beneficiar de uma experiência 100% digital, eficiente e humana.”