Facebook pede ajuda aos usuários para lutar contra notícias falsas

PC World / EUA
06 de dezembro de 2016 - 14h21
Rede social começou a enviar pesquisa com perguntas sobre veracidade de manchetes de determinados veículos.

O Facebook tem um grande problema com as notícias falsas que se espalham pela rede social, e agora espera que os usuários lhe ajudem a resolvê-lo. As pessoas estão relatando que o Facebook entrou em contato pedindo que respondam determinadas perguntas de uma pesquisa para ajudar a determinar se as manchetes das notícias são verdadeiras.

Não está claro quantas pessoas foram incluídas pela plataforma nesta pesquisa ou qual é, exatamente, o plano do Facebook sobre o que fazer com essas informações. De qualquer forma, parece ser mais uma iniciativa no plano da maior rede social do mundo para lidar com problemas como manchetes caça clique e notícias falsas que vem cada vez mais atormentando seus usuários.

“Até que ponto você acha que o título deste link mantém detalhes essenciais da notícia?”, questiona uma das perguntas da pesquisa do Facebook. A segunda é: “Até que ponto você acha que o título deste link usa linguagem enganosa?”. Os entrevistados podem escolher uma entre cinco opções de respostas: Nada( Not at all), Um Pouco (Slightly), Até Certo Ponto (Somewhat), Muito (Very much), ou Completamente (Completely).

O que é estranho sobre as perguntas da pesquisa é que elas estão anexadas a posts de veículos conhecidos como o The Philadelphia Inquirer e Rolling Stone. Sim, não há exemplos suficientes que foram tornados públicos para ver se sites menos conhecidos também estão incluídos na pesquisa. Como já sabemos, existem muitos sites especializados em notícias falsas que conseguem ótimos resultados no Facebook.

De qualquer forma, está claro que o Facebook não está livrando automaticamente veículos de comunicação mais conhecidos. Isso sugere que o teste, ou pelo menos parte dele, poderia estar julgando os usuários além das notícias.

Afinal de contas, as notícias falsas e manchetes caça-clique se espalham por causa de usuários que não conseguem dizer se aquela reportagem é verdadeira e/ou não leem nada além do título antes de compartilhá-la.