"Grampeia o presidente dos EUA e vê o que acontece", diz Dilma

Da Redação da Brasileiros
18 de março de 2016 - 14h21
Presidente do Brasil fez críticas ao juiz federal Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato.

Em cerimônia de entrega de casas do programa “Minha casa minha vida” nesta sexta-feira (18), em Feira de Santana (BA), a presidente Dilma Rousseff condenou veementemente a ação do juiz Sergio Moro, que grampeou e divulgou uma conversa entre ela e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta semana.

“Grampo de Presidência da República é ilícito, previsto como crime na legislação. Presidente do Brasil ou de qualquer país democrático do mundo tem garantias constitucionais. Não pode ser grampeado, a não ser com autorização expressa do STF. Em muitos lugares do mundo, quem grampear o presidente vai preso se não tiver autorização judicial. Grampeia o presidente da República nos Estados Unidos e vê o que acontece com quem grampear. É por isso que eu vou tomar todas as providências cabíveis nesse caso”, disse Dilma.

Snowden

O ex-funcionário da NSA, Edward Snowden, que foi responsável por vazar informações sobre os programas secretos de vigilância dos Estados Unidos, ironizou o grampo envolvendo Dilma e Lula: "Going dark: é um conto de fadas: três anos após as manchetes de escuta de @dilmabr ela ainda está fazendo chamadas não criptografadas", diz. 

“Going Dark” na tradução literal "ficando no escuro" é usada para se referir ao uso de criptografia em comunicações.