Após críticas de usuários, Twitter nega adotar timeline sem cronologia

PC World / EUA
08 de fevereiro de 2016 - 11h55
CEO Jack Dorseu precisou se manifestar sobre assunto após empresa receber enxurrada de reclamações de usuários, que ainda criaram a hashtag #RIPTwitter

O CEO do Twitter, Jack Dorsey, se pronunciou neste final de semana para comentar a polêmica sobre possíveis mudanças na timeline da plataforma, que deixaria de exibir tweets em ordem cronológica reversa.

Após usuários lançarem a hashtag #RIPTwitter na sexta-feira, 5/2, Dorsey usou sua conta no Twitter para responder às críticas. “Nunca planejamos rearranjar as timelines na próxima semana”, afirmou o executivo em um de seus vários tweets sobre o assunto.

Em outra mensagem, Dorsey diz que: “O Twitter é ao vivo. O Twitter é tempo real. O Twitter é sobre quem e o que voê segue. E o Twitter está aqui para ficar! Ao ficar mais Twitter-y.” 

Depois, o executivo citou o recurso “Enquanto você esteve longe” (“While you were away”) como um exemplo do tipo de trabalho que está sendo desenvolvido, e disse que a empresa “vai continuar a refiná-lo para que o Twitter fique mais, não menos, vivo!”.

Apesar de a afirmação de Dorsey parecer colocar um ponto final em uma iminente grande mudança de algoritmo no Twitter, não descarta a possibilidade de que vejamos mais recomendações ou tweets destacados no futuro.

Timeline

A confusão começou após o BuzzFeed publicar na sexta-feira, 5/2, que o Twitter planejava revelar sua timeline algoritmíca na semana seguinte. Uma linha do tempo desse tipo, ao contrário do formato cronológico que já virou marca registrada da plataforma, iria mostrar principalmente tweets sobre tópicos que o Twitter acha que você gostaria de ver.

Caso soe familiar, é porque é uma abordagem parecida com a que o Facebook adota no seu Feed de Notícias, que mostra posts de amigos com base em um algoritmo que tenta determinar se você está interessado naquele conteúdo.

A história por trás da história

Não é nenhum segredo que o Twitter vem brincando com a ideia de uma timeline não cronológica já há algum tempo. Na verdade, a empresa vem testando o ambiente há cerca de dois anos. Em maio de 2014, o então CEO Dick Costolo disse que a empresa estava testando um algoritmo para a timeline. Em outubro do ano passado, a companhia revelou que vinha testando várias timelines alternativas, incluindo algumas que fazem uso de algoritmos.