Bitcoin é um experimento falido, diz importante desenvolvedor da moeda

Jared Newman | PCWorld, EUA
15 de janeiro de 2016 - 16h19
O programador Mike Hearn desabafou em blog que vendeu todas as suas moedas e que não participará mais do seu desenvolvimento

Quando um proeminente desenvolvedor do Bitcoin diz ter abandonando de vez a moeda, toda a inquietação e otimismo da comunidade podem se voltar para um abismo.

Mike Hearn, um experiente desenvolvedor que, com frequência, fala sobre a moeda para a imprensa e em apresentações, escreveu no Medium que vendeu todas as suas moedas e não participará mais do desenvolvimento dela. 

“O que era para ser uma nova forma decentralizada do dinheiro onde falta sistematicamente instituições importantes e era muito grande para falhar se tornou algo ainda pior: um sistema completamente controlado por um pequeno grupo de pessoas”, Hearn escreveu. 

“Pior ainda, a rede está a beira de seu colapso técnico. Os mecanismos que deveriam prevenir esse desfecho se romperam, e como resultado, não há mais razão para pensar que o Bitcoin pode realmente ser melhor do que o sistema financeiro existente”.

Por que isso importa

Os defensores do Bitcoin por um bom tempo esperaram que a moeda revolucionasse o sistema financeiro mundial, quebrando barreiras geográficas e permitindo que usuários conduzissem transações de forma anônima. Mas ultimamente, os esforços tem tido um revés pelas lutas internas entre desenvolvedores. O texto original de Hearn (em inglês) sobre o estado atual do Bitcoin vale a pena ser lido, apesar de ressaltar que ele não é uma fonte imparcial no assunto.

Mantenha em mente que o próprio Hearn teve um papel central na recente controvérsia. Em agosto último, Hearn e Gavin Andresen, chefe cientista na Bitcoin Foundation, criaram uma versão bifurcada da criptomoeda, a chamada Bitcoin XT. 

O objetivo da Bitcoin XT é expandir o tamanho dos “blocos” que processam transações, permitindo compras mais rápidas e aumentando o apelo mais acessível do Bitcoin.

Hearn argumenta que um pequeno número de mineradores da moeda – a maioria concentrada na China – estava impedindo a expansão do tamanho do bloco de Bitcoin devido a razões egoístas e a Bitcoin XT serviria efetivamente como um volta para blocos maiores. Entretanto, alguns na comunidade Bitcoin viram a XT como um golpe, e que a separação era ruim para a moeda como um todo. 

Em qualquer caso, Hearn nota como a atmosfera ficou feia depois da criação da Bitcoin XT. Moderadores de fóruns da moeda começaram a banir qualquer menção a XT, para depois tirar a moeda do serviço de carteira virtual Coinbase do Bitcoin.org. Usuários da XT também sofreram massivos ataques de negação de serviço, diz Hearn. 

Hoje, a Bitcoin XT é responsável por 9,4 por cento dos nós Bitcoin, de acordo com um site que o rastreia. O número é abaixo dos 14% quando a bifurcação foi lançada. 

“Crises anteriores, como a falência da Mt. Gox, tinham a ver com serviços e companhias que surgiram em torno do ecossistema", escreveu Hearn. "Mas esta é diferente: é uma crise do núcleo do ecossistema, da cadeia em si”.