Decisão do Yahoo de separar sua área de Internet é o fim de uma era

Da Redação *
10/12/2015 - 09h00
A empresa vai dividir-se em duas unidades - uma com a participação no site de e-commerce Alibaba e a outra com todos os outros negócios de internet

Ao invés de fazer um spin-off da sua participação de US$ 32 bilhões no site chinês de e-commerce Alibaba, como vinha sendo planejado pela CEO, Marissa Mayer, o conselho administrativo do Yahoo decidiu adotar uma manobra inversa. Nesta quarta-feira, 9/12, o Yahoo anunciou que vai manter a fatia no Alibaba dentro da empresa original e transferir tudo o mais para uma nova empresa, adotando o que o mercado chama de spin-off reverso.

A decisão representa o fim de uma era para a companhia que foi uma das pioneiras da Internet. O novo Yahoo será formado por duas empresas: uma que vai deter os 15% de participação no Alibaba, e a outra que vai manter os negócios ligados à internet, incluindo o mecanismo de busca, email, a plataforma de social media Tumblr, os diversos sites da empresa, como o Yahoo Finance, e a participação de US$ 8,7 bilhões no Yahoo Japan. As duas empresas manterão seu capital aberto e os acionistas do Yahoo vão receber ações divididas pro rata.

A separação original da participação do Yahoo no grupo Alibaba vinha sendo planejada por Marissa Mayer desde janeiro deste ano. Um dos problemas que possivelmente azedou o caldo e provocou o spin-off reverso foi o fato de que o IRS (Internal Revenue Service, a Receita Federal norte-americana) não estaria disposto a aceitar a proposta de autorizar a separação do Alibaba sem cobrar impostos. E a perspectiva da conta chegar a US$ 10 bilhões estava deixando Wall Street nervosa e derrubando o valor das ações da companhia.

A mudança significa que a empresa está se movendo para adotar um foco de negócios diferente em meio a uma paisagem da economia online com mudanças rápidas e constantes.   “Como uma indústria, isso significa o fim da web estática. O Yahoo popularizou categorias e diretórios, que foram então substituídos por buscas, que estão substituídas pelo mobile. O Yahoo perdeu completamente as buscas e demorou para entrar muito no mobile. Agora está no fluxo”, afirmou o analista da Moor Insights & Strategy, Patrick Moorhead.

O presidente do conselho diretor do Yahoo, Maynard Webb, afirmou que o spin-off reverso não quer dizer que a empresa está ativamente buscando por compradores para o seu negócio de Internet, apesar de estar aberta a ofertas. Mas a declaração de Webb deixa em aberto a possibilidade de que a própria empresa vai se livrar do seu negócio lento de Internet.

“Isso me diz que isso não uma direção estratégica para a empresa. Esse negócio não receberá investimentos e certamente não vai atrair talentos. Nessa indústria, isso é tudo que interessa. Não é um voto de confiança. Não é um voto de dedicação e interesse estratégico”, aponta o analista da Current Analysis, Brad Shimmin.

Shimmin também afirma a decisão do Yahoo de manter suas ações do Alibaba pode ajudar a empresa a evitar uma grande dívida com impostos e pode indicar que a companhia tem planos de focar no varejo online, com a força do Alibaba por trás desse esforço.

“O Yahoo vem fazendo alguns barulhos bem estranhos e algumas ações inusitadas – desde falar sobre reestruturação até mudanças de executivos – indicando que tem estado inseguro sobre qual direção tomar”, diz Shimmin. “Provavelmente essa nova decisão vai deixar muita gente sem entender nada, mas ao menos coloca um pouco de claridade quanto a quem eles são como uma empresa. Eles não um destino online para verificar seu e-mail e resultados esportivos, mas um destino online para um ecossistema de comerciantes, como a Amazon.” 

O Yahoo foi um pioneiro da Internet. Surgindo no fronte da explosão online há 20 anos, o nome Yahoo era então sinônimo do mundo de buscas online, e-mail, navegação na web e o crescimento da presença digital.

Essa era dos primeiros gigantes pode estar chegando ao fim, uma vez que o Yahoo parece seguir os passos de outras líderes do mercado, como Netscape, AOL e Napster.

“Essa decisão do Yahoo pode ser o fim de uma era. A próxima grande pergunta é ‘Qual o futuro do Yahoo?’ Ainda existem mais perguntas do que respostas, e provavelmente será assim por um bom tempo”, afirma o analista independente de mercado, Jeff Kagan.

Uma pergunta que foi respondida nesta quarta-feira, 9/12, é que a CEO do Yahoo, Marissa Mayer, não está saindo da empresa. Em uma entrevista para a CNBC,  Webb disse “Absolutamente” em resposta a uma pergunta direta sobre se Mayer vai continuar na empresa.

Ele também disse: “Nunca conheci ninguém que trabalhe mais, seja mais inteligente e se importe mais. Queremos ajudá-la a levar essa empresa de volta para um lugar icônico aonde pertence.”  “O fato de Mayer permanecer diz que eles querem um pouco de consistência. O Yahoo não quer dar aos acionistas a ideia de que está mudando tudo e começando do zero”, diz Shimmin.

Mas o que vai surgir desse fim do negócio principal de Internet do Yahoo? Moorhead, pelo menos, não tem grandes esperanças. “Separar um investimento do Alibaba do seu negócio principal não faz absolutamente nada para aumentar as suas chances”, afirma. “Para ser bem sucedido, o Yahoo precisa de uma nova estratégia, uma que não bata de frente com Google, Apple, Microsoft ou Facebook.”