Estado Islâmico possui serviço de help desk em TI para terroristas

Da Redação
17 de novembro de 2015 - 17h40
Segundo revelações do exército dos EUA, grupo que atacou Paris na sexta-feira, 13/11, ensina seguidores a usar criptografia contra vigilância de autoridades.

O Estado Islâmico (ISIS) possui um serviço de atendimento 24 horas para ajudar seus membros e seguidores a usarem criptografia para se protegerem de governos e autoridades de inteligência, segundo a NBC News.

De acordo com a rede norte-americana de notícias, o serviço de help desk do grupo terrorista é gerenciado por cerca de seis operadores sênior, que se revezam no decorrer do dia para responder questões que vão desde dúvidas básicas cotidianas até coisas mais complexas, tudo com a intenção de aumentar sua presença e ação pelo mundo.

A informação foi revelada à NBC por analistas de contraterrorismo do Exército dos Estados Unidos. Vale notar que a iniciativa do EI seria relativamente nova, já que os oficiais de inteligência norte-americano apontam que ela cresceu significativamente no último ano.

A descoberta chama a atenção porque pode permitir que potenciais milhares de seguidores do Estado Islâmico pelo mundo possam planejar operações e atentados sem que as autoridades fiquem sabendo de nada.

“Eles desenvolveram uma série de plataformas pelas quais um pode treinar o outro em segurança digital para evitar agências de inteligência e unidades policiais com o objetivo explícito de recrutamento, propaganda e planejamento operacional”, afirmou Aaron F. Brantly, um analista de contraterrorismo do Combating Terrorism Center, organização independente ligada ao Exército dos EUA. 

“Claramente, isso permite que eles se comuniquem e se engajem em operações além do que costumava acontecer, e de uma maneira muito mais ativa. Eles agora conseguem operar na velocidade do ciberespaço em vez da velocidade da comunicação de pessoa para pessoa.” 

Nesta semana, o grupo hacker Anonymous anunciou uma declaração de guerra contra o Estado Islâmico após os ataques realizados em Paris na sexta-feira, 13/11. A primeira ação do grupo foi derrubar mais de 5 mil contas no Twitter ligadas aos terroristas.