Twitter no Brasil: usuários móveis já são mais de 60%

Cristina De Luca
19/03/2014 - 16h12
Microblog busca agora aumentar sua relevância com uma série de iniciativas baseadas nas características de uso mais marcantes entre os brasileiros

Pensou em mobilidade, pensou Twitter. Pensou em segunda tela, pensou Twitter. Pensou em publicidade nativa e publicidade em tempo real, pensou Twitter. Essa é a meta da equipe da subsidiária do Twitter no Brasil, que acaba de completar um ano.

De acordo com Guilherme Ribenboim, diretor-geral do Twitter Brasil, o país se mantém entre os cinco maiores mercados do microblog, que reúne mais de 241 milhões de usuários ativos em todo o mundo. Mas o usuário brasileiro tem características bem marcantes, que pautam a atuação, não só de seus 42 funcionários no país, como de todos os parceiros, de diversos segmentos. A meta é inovar, desenvolvendo produtos pautados pelos hábitos dos usuários brasileiros.

De acordo com Ribenboim, hoje 64,7%  da base de usuários brasileiros do Twitter usam o microblog via plataformas móveis (há um ano eram 40%); 70% apontam o microblog como principal canal para consumo de informação em tempo real; 60%  costumam usar o serviço enquanto veem TV;  e 67% usam o microblog para seguir personalidades (o que reforçou a estratégia de verificação de contas). Além disso, os brasileiros tuitam e retuitam mais (o que mostra um grande engajamento), prestam atenção maior aos trending topics (gostam de tentar colocar os assuntos que estão comentando nos TT mundiais), e se interessam mais por utilidade pública.

Na opinião do executivo, o expressivo crescimento da quantidade de usuários móveis está relacionado com o crescimento da base de usuários de smartphones no país,  com as ações de segunda tela promovidas pelo microblog em parceria com emissoras brasileiras e com as parcerias conduzidas pela área de negócios do escritório brasileiro com as operadoras de telefonia móvel (Claro, Tim e Oi). "Somos hoje, de fato e de forma massificada, uma plataforma mobile", afirma Ribenboim.

Pensando em ampliar esse universo de usuário móveis, o Twitter decidiu desenvolver um app para smartphones de entrada, com pouca memória e tela de tamanho reduzido. A primeira versão é para aparelhos Android, versão 2.x em diante. Esse app tem tamanho e layout especial para este tipo de smartphone. A intenção é garantir que todo o tipo de brasileiro que queira estar no Twitter possa fazê-lo, e tenha uma boa experiência de uso, superior a qualquer outro tipo de aplicativo. "O Twitter está claramente muito bem posicionado nesse cenário de uso crescente de apps nativos e redução da navegação via browser, não só nos smartphones mas também em outras plataformas", afirma Ribenboim.

Da mesma forma, o microblog está desenvolvendo recursos específicos para ações de segunda tela. A intenção é facilitar a interação entre os usuários que queiram comentar assuntos relacionados com programas de TV. Um bom exemplo, já disponível no exterior, e que deve chegar ainda este ano ao Brasil, é a possibilidade de criação automática de salas de bate-papo em torno de um determino programa. Todos os tweets relacionados a esse programa serão agregados nessa tela.

Na Índia já está em curso até uma experiência de integração maior do Twitter com a programação da TV, em parceria com a operadora de TV por assinatura Airtel. O "Twitter EPG" possibilita à emissora ou empresa de TV a cabo veicular uma timeline sobre o  programa que está sendo veiculado naquele momento, a partir de uma curadoria de todos os tweets publicados no Twitter sobre o programa. O acesso a essa tela é feito via o controle remoto da TV ou do set-top box. Basta apertar um botão.

O sistema, operado por um parceiro do Twitter que trabalha junto com a equipe da Airtel, conta inclusive com uma função para que o telespectador usuário do Twitter envie tweets com a hashtag  #onTV, para indicar que gostaria de ver a sua mensagem veiculada, no ar, para todos os telespectadores. Do ponto de vista da emissora, a hashtag  #onTV funciona como um primeiro filtro, comenta Daniel Carvalho, diretor de desenvolvimento de negócios do microblog para a América Latina. De acordo com ele, os resultados têm sido acima da expectativa. "Mas ainda é uma experiência muito recente", afirma. O executivo já vem conversando com emissoras e empresas de TV por assinatura brasileiras para fazer algo semelhante aqui, talvez ainda este ano.

O Twitter também vai passar a enviar notificações sobre o que está em evidência naquele momento, de acordo com o contexto de uso de cada perfil. Se você conversa muito sobre o Flamengo, ou o Corinthians, todas as vezes que houver um pico de interesse relacionado a esses assuntos você será avisado. A ideia é ter alertas para momentos polêmicos, contas novas, notícias, etc.

Por fim, em relação às tendência de publicidade nativa e publicidade em tempo real, o Twitter já começa a ser encarado pelo mercado brasileiro como uma oportunidade para as marcas serem mais inteligentes aos olhos dos consumidores.

"O Twitter é uma plataforma onde as marcas podem, efetivamente, conversar com as pessoas, em tempo real", afirma Ribenboim. "A marca pode capturar o momento que a pessoa está vivendo e as conversas que ela está tendo, inserir a sua mensagem com maior relevância e, assim, capturar engajamento e aumentar a sua capacidade de ser percebida como marca positiva e aumentar vendas", completa o executivo.

Segundo ele, o fato do Twitter ser uma plataforma aberta, conversacional, em tempo real e sem filtro, a torna relevante não só para estratégias de segunda tela, como para outras estratégias de marketing e publicidade digital. "Essas quatro características nos tornam uma plataforma completamente diferente de qualquer outra do mercado", afirma Ribenboim.