Google censura "torrent", "rapidshare" e "megaupload" em pesquisas

Da Redação
20 de julho de 2012 - 17h32
Decisão feita pela Suprema Corte da França proibiu que tais palavras apareçam no recurso autocompletar e instant; pesquisas, no entanto, podem ser realizadas normalmente

A Suprema Corte da França definiu que o Google do país não poderá mais exibir palavras como "torrent", "rapidshare" e "megaupload" em suas buscas. A medida visa diminuir o número de conteúdo ilegalmente baixado pela internet.

A censura é válida somente para o recurso de "autocompletar" da barra de pesquisas do buscador - ou seja, quando digitada a palavra o site não exibirá as tradicionais sugestões de pesquisa -, além de não exibir os resultados em tempo real, como acontece por meio do recurso "instant".

Mesmo assim, os resultados das buscas aparecerão normalmente no site, porque a Suprema Corte decidiu que a gigante não poderia ser responsabilizada pelos downloads feitos por conta de suas pesquisas, já que ele funciona apenas como um indexador de conteúdo.

O pedido para a remoção partiu do Sindicato Nacional da Edição Fonográfica (ou SNEP, sigla para "Syndicat National de l'Édition Phonographique"), um órgão que representa a indústria musical francesa, com alegação de que o Google facilitava a pirataria com a exibição de sugestões nas pesquisas.

"A decisão mostra que os mecanismos de busca deveriam participar da regulação da internet", disse o diretor do SNEP, David El Sayegh, em um comunicado oficial.

Na mesma ocasião, o Google também se comprometeu a remover, no prazo de 24 horas, conteúdos que feriam a lei de copyright do país.