Barack Obama vence John McCain no duelo da internet

ComputerWorld/EUA
03/11/2008 - 17h35
Framingham - Site TechPresident revela que o candidato democrata é o líder nas buscas do Google, em blogs, vídeos no YouTube e redes sociais.

obama_mccain_88Na atual corrida pela Casa Branca, Barack Obama  obteve larga vantagem sobre John McCain quando o assunto é o uso da internet. No dia 21 de outubro, por exemplo, Obama obteve mais de 84 milhões de visualizações para seus vídeos no YouTube enquanto McCain obteve 22 milhões, de acordo com o TechPresident, um site de estatísticas da Web 2.0 nas eleições.

> Acompanhe a eleição dos EUA pela web
> Charge: republicanos e a Web 2.0
> Uma divertida disputa dançante dos candidatos

Nos últimos seis meses, 14.504 membros do Meetup usaram o site para organizar grupos offline e eventos para apoiar o democrata Obama, enquanto 1.772 membros estão usando para apoiar seu rival republicano.

Nesta segunda-feira (03/11), Obama foi mencionado 6.230 vezes na blogosfera, de acordo com a Technorati - sistema de busca em blogs - comparadas a 4.687 menções do McCain. Este número, claro, se refere a qualquer tipo de menção - positiva ou negativa - dos candidatos. De qualquer forma, é um indicativo de como os presidenciáveis têm atraído a atenção dos internauras.

E a Hitwise - que classifica o tráfego na web - apontou que Obama estava atraindo 66% de todo o tráfego direcionado à "candidatos à presidência" enquanto McCain atraía 35% do tráfego.

Obama também dominou no Facebook, com 2 milhões de apoiadores, comparados aos 564 mil para McCain. O candidato democrata também lidera no MySpace, com mais de 830 mil apoiadores, comparados aos 215 mil do republicano.

Ambos os candidatos se voltaram à internet durante os últimos dias de campanha com recentes ações, incluindo o lançamento de um aplicativo para iPhone, feito por Obama e uma ação de questionário para usuários na ferramenta de rede social profissional LinkedIn e a reforma da página "McCainSpace", no MySpace.

Nos dias que antecederam à convenção nacional democrata, em agosto, McCain teve um aumento online súbito - especialmente na blogosfera que havia sido fortemente dominada por Obama.

Para que todo o apoio online se traduzisse em votos, os candidatos construíram ferramentas online desenvolvidas para voluntários identificarem facilmente patrocinadores que podem ajudar a aumentar os votos, incluindo a ferramenta "Vizinho a Vizinho", de Obama, e o software "Voto a Voto", de McCain.

Micah Sifry, um blogueiro do TechPresidente, apontou que é impossível saber qual das ferramentas foi mais usada. No entanto, ele afirma que a ferramenta de Obama é mais "profundamente incorporada à ecologia da internet".

Sifry disse também que a busca pelos termos "Obama" e "neighbor to neighbor" (vizinho a vizinho) no Google retorna 479 mil resultados, e a busca por "McCain" e "voter to voter" retorna 325 resultados. "Em ambos os casos, o link para a ferramenta está no topo dos resultados, o que é bom, mas tais resultados de busca indicam muito mais conteúdos sobre a ferramenta de Obama - e possivelmente - mais uso", acrescentou.

Além disso, a busca de Sifry no Google do número total de sites lincados à ferramenta de Obama foi 475, incluindo 396 blogs. O número total de links para a ferrramenta de McCain é 18 - sem nenhum blog.

"Se você desenhar uma ferramenta para ser usada em um site, mais links apontando para ela e mais resultados em seu nome geralmente são sinais de maior interesse. Cada site indicando ferramentas para  eleitores de Obama ou McCain é um alvo de atenções. Há algum tempo, temos dito que a contínua atenção de Obama na contrução de uma campanha online tem dado a ele uma grande vantagem na eleição geral", declarou Sifry.

De acordo com a ferramenta de análise de buscas do Google - que mostra o número de buscas para um termo em particular comparado ao número total de buscas no Google em uma escala de 100 pontos, "Obama" atraiu 86 buscas nos EUA, comparadas a 53 buscas por "McCain".

Usando o nome e sobrenome dos candidatos, "Barack Obama" atraiu 86 das buscas contra 69 de "John MacCain".

Heather Havenstein, editor da Computerworld, dos EUA