Guilherme Felitti, editor assistente do IDG Now!" />

Base de usuários brasileiros do Firefox dobra em 2008, segundo Mozilla

Guilherme Felitti, editor assistente do IDG Now!
25/08/2008 - 12h15
São Paulo - Média saltou de 1,2 milhão de usuários por dia em janeiro para 2,5 milhões por dia em agosto, segundo a Mozilla.

O número de usuários do navegador Firefox no Brasil dobrou entre janeiro e agosto deste ano, segundo informações da Mozilla.

Em janeiro, o Firefox tinha uma média de 1,2 milhão de usuários por dia. Já em agosto, o número saltou para 2,5 milhões de usuários por dia, segundo a Mozilla.

A companhia começou a coletar dados básicos dos usuários do Firefox para determinar  suas localizações em setembro de 2007, usando como base a ferramenta de atualização do navegador.

> Os melhores add-ons, segundo a Mozilla

Entre setembro e dezembro de 2007, o uso foi constante, e, a partir do início de 2008, os esforços da comunidade fizeram com que o uso diário do navegador mais que dobrasse, segundo Chris Hofmann, diretor de projetos especiais da Mozilla em entrevista exclusiva ao IDG Now!.

No mundo inteiro, o Firefox já tem 180 milhões de usuários, o que lhe dá participação de 19,22% do mercado de browsers, em clara tendência, segundo Hofmann, de que o browser está ganhando espaço entre consumidores não especializados em tecnologia.

Já segundo um estudo da Predicta, que também aponta crescimento do navegador no País, nos últimos sete meses o acesso à web pelo Firefox cresceu 36%.

Firefox 4
Hofmann discorreu também sobre possíveis ferramentas e funções presentes no Firefox 4, cuja versão Alpha atende pelo nome "Minefield" e já está disponível para download, ainda sem data de lançamento prevista.

O Firefox "Minefield" ainda é voltado para desenvolvedores ou entusiastas que pretendem detectar e acusar erros de desempenho para engenheiroas da Mozilla.

Segundo Hofmann, o Firefox 4 deverá se beneficiar de melhorias na maneira como JavaScript é integrado às páginas, o que permitiria desempenho até 2,5 vezes melhor de aplicações online que usam a linguagem.

O novo navegador poderá também, finalmente, ter uma função que "transforma" serviços online em aplicativos offline, permitindo que sejam usados mesmo que o usuário não tenha internet a seu alcance, algo que o Google Gears já oferece.

O problema com o modo offline, no entanto, alega ele, está mais em uma questão de adoção de mercado - quando players decidem que é vantajoso adaptar seus serviços à ferramenta - que propriamente tecnológica, já que o Firefox 3 já oferece funções primitivas para o modo.