Redação do IDG Now!" />

WSJ: Yahoo se aproxima de acordo para terceirizar publicidade para o Google

Redação do IDG Now!
17/04/2008 - 12h18
São Paulo – Yahoo estaria próximo de aceitar plataforma de anúncios do Google em suas buscas, o que renderia US$ 1 bi a mais por ano em sua receita.

O Yahoo está próximo de um acordo com o Google que daria ao gigante de buscas a administração de toda a publicidade nas buscas do Yahoo, em estratégia para que a empresa fundada por Jerry Yang e David Filo fuja da aquisição hostil proposta pela Microsoft.

A notícia sobre o acordo foi publicada na edição desta quinta-feira (17/04) do The Wall Street Journal, que vê a negociação como uma chance do Yahoo ganhar tração para fugir à proposta de compra de 42 bilhões de dólares formalizada pela Microsoft no começo de fevereiro.

Mais sobre Microsoft e Yahoo:
> Especial: tudo sobre o acordo
> Microsoft mira Yahoo para enfrentar Google
> Opinião: Marcelo Coutinho avalia o negócio
> Blog: leia a carta de Ballmer para o Yahoo
> Enquete: o que você acha do negócio? Vote
> Ações do Yahoo sobem 50%
> Blog: AOL Time Warner 2.0?
> Ballmer: alternativa para enfrentar o Google

O analista Mark Mahane, do Citigroup Global Markets, afirmou ao jornal que um acordo do tipo renderia 1 bilhão de dólares a mais de receita ao Yahoo por ano.

Fontes próximas à questão afirmaram que Google e Yahoo vêm, inclusive, trabalhando sobre as possíveis restrições antitruste que enfrentariam caso o acordo seja fechado.

A suposta aliança em publicidade online, principal motivo justificado pela Microsoft pela proposta original, facilitaria o acordo que o Yahoo vem tentando costurar com a Time Warner para fundir suas operações com a AOL, mas não impediria a aquisição pela Microsoft.

No começo de abril, o CEO da Microsoft, Steve Ballmer, publicou uma carta aberta ameaçando diminuir a quantia oferecida pelo buscador e dando ao conselho e aos acionistas do Yahoo três semanas até que a decisão final fosse tomada.

A alternativa de o Yahoo abandonar sua própria plataforma de publicidade e terceirizar o provimento de links patrocinados pelo Google já havia sendo aventada por acionistas e analistas antes mesmo da proposta da Microsoft.