Da Arpanet ao WWW: uma breve história da Web

IDG Now!
30 de maio de 2005 - 20h04
Fruto da Guerra Fria, a internet se transformou numa das mídias de mais rápido crescimento da história. Veja os principais fatos.

A internet surgiu em 1969, fruto da Guerra Fria, período pós-Segunda Guerra Mundial que colocou Estados Unidos e União Soviética em lados opostos.

Resultado direto do esforço conjunto de militares e pesquisadores universitários que criaram a ARPA (Advanced Research Projects Agency ou Agência de Pesquisa em Projetos Avançados), órgão cujo objetivo era manter a superioridade tecnológica norte-americana.

Na visão do líder do projeto J.R. Licklider, ainda em 1962, uma das metas era conectar computadores e pessoas, mas sua visão esbarrava em dois pontos: as máquinas eram gigantescas, lentas e com baixa capacidade e era preciso garantir uma comunicação confiável mesmo diante de um ataque nuclear.

As saídas encontradas pelos pesquisadores foram descentralizar a informação, para que todos pudessem acessar os dados de qualquer lugar e que a transmissão fosse realizada em pacotes para que ela trafegasse por partes, entre outras soluções que até hoje soam como modernas.

A primeira conexão à distância ligou a UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles) ao SRI (Stanford Research Institute, Califórnia), no dia 30 de agosto de 1969.

Nascia assim a ARPANET, a rede da ARPA, que contava ainda com a UCSB (Universidade da Califórnia, em Santa Barbara) e a Universidade de Utah, de Salt Lake City.

Utilizando modems e linhas telefônicas para conectar os mainframes - grandes computadores que centralizam informações - através de terminais remotos. Seu principal uso era o envio de arquivos.

Naquela época e ainda hoje, a internet pode ser descrita como a forma pela qual os computadores conversam. Tecnicamente, porém, é como as informações são transformadas em impulsos elétricos pelos modems para que possam ser enviados através de uma linha telefônica.

De um lado está a máquina que transforma e envia os dados e do outro o equipamento que os traduz e recebe. O conceito evoluiu, mas não mudou substancialmente, em especial com a proliferação das redes militares e acadêmicas nos Estados Unidos.

Apenas no final da década de 1980, com o TCP/IP (Transfer Control Protocol/Internet Protocol) elevado à condição de protocolo de comunicação das redes - uma espécie de idioma entendido por todas as máquinas - é que a rede das redes se formou e começou a ganhar o perfil universal que possui atualmente.

Outro fator importante é que a Arpanet passou para as mãos da National Science Foundation, um órgão independente do governo americano, em 1985.

Em 1989, Tim Berners-Lee (foto no começo da matéria) propôs a criação de um projeto global de hipertexto enquanto trabalhava no laboratório europeu de física CERN, em 1989, designado para permitir que as pessoas trabalhassem juntas por meio de organizações, links e navegações de páginas de conteúdo. Tal projeto de hipertexto tornou-se o então conhecido "World Wide Web".

O programa WorldWideWeb foi concebido primeiramente dentro do CERN em dezembro de 1990, e todos os códigos de Berners-Lee foram revelados na metade do ano de 1991, segundo o World Wide Web Consortium (W3C), fundado pelo próprio físico em 1994.

Em razão disso, Bernes-Lee ganhou em 2004 o título de cavaleiro do Império Britânico, pelas mãos da rainha Elizabeth II. A condecoração concedida em reconhecimento à criação da World Wide Web e aos "serviços de desenvolvimento global que a internet oferece".