Como garantir que empregos não sejam ameaçados pela ascensão da IA?

Geoff Thomas, CIO Austrália
10/03/2018 - 10h58
Não há como negar que a maioria dos trabalhos verá tarefas substituídas pela automação; Precisamos aprender a nos adaptar mais rápido do que nunca

Os avanços na automação criaram uma nova ameaça aos trabalhos. Os robôs não se limitam a substituir seres humanos em linhas de montagem; A rápida evolução da Inteligência Artificial (AI) está agora impactando o papel dos seres humanos no espaço cognitivo, e isso é motivo de preocupação.

Inevitavelmente, a IA afetará todos nós, de uma forma ou de outra. Infelizmente, para muitos funcionários em uma ampla gama de indústrias e papéis, as empresas não estão fazendo o suficiente para apoiar o desenvolvimento dos funcionários e garantir que mantenham o ritmo diante da IA.

Um estudo da agência de recrutamento Randstad indicou que 84% dos australianos não estão preocupados com o fato de a automação afetar seus futuros empregos, enquanto 77% acreditam que não precisarão mudar de carreira nos próximos 10 anos, apesar dos avanços tecnológicos.

Muitos desses australianos estão errados.

De acordo com pesquisadores da Universidade de Oxford, 47% dos trabalhadores correm o risco de perder seus empregos para a automação. O Australian Bureau of Statistics (ABS) prevê que os três principais empregos que serão impactados incluem trabalhadores de vendas transacionais (86,6%), operadores de máquinas e motoristas (79,6%) e trabalhadores administrativos e administrativos (79,3%).

Enquanto um relatório da McKinsey declara que uma porcentagem menor de empregos corre o risco de ser completamente substituído por máquinas, não há como negar que a maioria dos trabalhos verá algumas de suas tarefas substituídas pela automação. As expectativas e as necessidades dos empregadores em termos de habilidades "soft" e técnicas estão evoluindo rapidamente, tornando as habilidades que as pessoas aprendem relevantes por um período de tempo mais curto.. Quanto mais a IA avançar, mais essa tendência acelerará.

Precisamos aprender a nos adaptar mais rápido do que nunca - e precisamos aprender a ensinar melhor a capacidade de adaptação. Perturbações anteriores nos mostram que essas mudanças também criam oportunidades e novos tipos de empregos. Embora não haja uma bala de prata para resolver o problema, gostaria de sugerir algumas mudança que nos ajudarão a "robustecer" nossas forças de trabalho.

LEIA MAIS: Robôs também deverão roubar os empregos mais bem pagos

1 - Elevando nossos padrões

Para começar, as organizações precisam adotar uma abordagem de aprendizado contínuo para suas iniciativas de desenvolvimento profissional, assegurando que estão apoiando a educação dos funcionários e o desenvolvimento de habilidades de forma a ajudá-los a serem ágeis, aprender novas habilidades rapidamente e permitir que sigam o ritmo das mudanças provocadas pela automação crescente. As empresas que falharem nesta frente perderão sua vantagem competitiva e poderão contribuir para consequências mais amplas como o desemprego e as rupturas na economia global.

Infelizmente, o modelo atual de educação e treinamento é, na maioria dos casos, apenas destinado a desenvolver jovens no início de suas carreiras, apesar do aprendizado, especialmente na paisagem de hoje, ser verdadeiramente um empreendimento vitalício. Não é suficiente treinar (e fornecer feedback de desempenho) uma vez por ano. Os empregadores precisam atender às necessidades contínuas e em tempo real dos funcionários.

> LEIA MAIS: Este site calcula a probabilidade de um robô roubar o seu trabalho

2 - Conexão com o ensino superior

Além disso, precisamos de uma maior conexão entre o ensino superior e o mercado de trabalho. Isso significa alinhar cursos para habilidades e competências que estão em demanda. Em parte, isso poderia ser conseguido através de mais parcerias entre empresas e instituições de ensino superior.

Os seres humanos possuem incrível capacidade de inovação e criatividade. Essas qualidades são cada vez mais demandadas à medida que a IA se aproxima e nosso modelo de educação superior deve refletir essa mudança. Algumas universidades perceberam isso e estão construindo currículos para serem mais interdisciplinares.

No final do dia, cada um de nós é responsável pela nossa própria educação. Precisamos dirigir nosso desenvolvimento pessoal e profissional, e não esperar que pais, professores e empregadores distribuam oportunidades. A aprendizagem autodidata  e a aprendizagem de adultos são dois segmentos de educação em rápido crescimento, e por uma boa razão. Precisamos incentivar a aprendizagem autodirigida e concentrar nossos esforços de reconhecimento em pessoas com habilidades e competências adequadas, e não a alma mater certa.

À medida que a IA e a automação continuam a se infiltrar na força de trabalho, as organizações devem se dedicar mais a fornecer desenvolvimento profissional contínuo, ao mesmo tempo em que incentivam os funcionários a se apropriarem do seu conhecimento e desenvolvimento de habilidades. Ter uma abordagem contínua ao aprendizado não só garantirá que os trabalhadores possam manter o ritmo e permanecer relevantes, como também ajudará a criar uma cultura de engajamento e retenção e permitir que as empresas naveguem nas demandas em rápida evolução do mercado.

(*) Geoff Thomas é vice-presidente da Ásia-Pacífico na D2L

> LEIA MAIS

Empresas recorrem a robôs para inovar o setor de serviços e o da educação

'Bolsa família' será única saída após robôs roubarem empregos