Tecnologia & Comunicação

Laboratório de Mídia: mudança no negócio da informação

Publicada em 20/04/2012 18:34

O Brasil oscila entre a 6.a e 7.a economia do mundo. Motivo de orgulho para quem trabalha e acredita no País. Entretanto, além de indicador econômico, a posição necessita coadunar com a nova mentalidade de desenvolvimento empresarial e profissional a ser praticada no Brasil.  Esse tipo de postura de agir e pensar passa pela criação de estruturas que proporcionem implantação de processos de inovação, garantindo a evolução profissional e a sobrevivência empresarial.

No campo da mídia, é premente a criação de uma estrutura que permita realizar processos inovadores e com diferenciais competitivos sobre a concorrência.  Aponto a criação de laboratório de mídia como uma solução mais que moderna, também eficiente. O laboratório de mídia dentro das empresas promove o desenvolvimento tecnológico, a pesquisa e a transferência de conhecimento visando à sobrevivência comercial no ambiente regido pela nova economia da informação digital. Faço aqui uma distinção extremamente importante.

A formação de um laboratório de mídia, no nível que estou mencionando nesse artigo, não se baseia no procedimento de juntar profissionais de Comunicação e Ciências da Computação para executar projetos oriundos do departamento de Marketing da empresa. A estratégia não é nada inovadora no universo atual dos negócios da informação digital. Apenas, é uma forma de executar projetos para dar conta das demandas rentáveis em curto prazo. Não faz parte de uma estratégia de sobrevivência em longo prazo. Quem usa essa estratégia não esta pensando como será o seu negócio daqui a 10 anos ou 20 anos. Mas ela funciona, ou seja, é necessário matar um leão a cada dia.

Já para construir um laboratório de mídia,  deve-se levar em consideração que o conhecimento do corpo de pesquisadores/profissionais  abrangerá algumas áreas importantes do conhecimento humano, como Negócios da Informação Digital, Ciências da Computação, Ciências Sociais Aplicadas, Engenharia e Ciência Cognitiva. A junção e relacionamento entre os pesquisadores/profissionais desses campos, com sólida formação multidisciplinar (voltarei a tocar no assunto nos próximos artigos),  fornecerão à empresa de mídia ou agência de comunicação a “inteligência” necessária para desenvolver produtos e serviços inovadores e conectados com os desejos de consumo da atual sociedade.

Exemplos bem-sucedidos
Em um memorando interno, distribuído a todos os funcionários do The New York, Arthur Sulzberger e Janet Robinson, respectivamente diretor geral e o presidente, escreveram que o NYTimes era uma empresa de produção de informação e não uma empresa de produção de jornal. A visão descolou o negócio da informação de uma plataforma e colocou o NYTimes no mundo da inovação digital. Em função deste posicionamento, o NYTimes  criou laboratório para desenvolvimento de tecnologias voltadas para a captação, a produção e a distribuição de conteúdos digitais por diversas plataformas conectadas, mas utilizando tecnologias produzidas internamente. Assim, o NYTimes controla totalmente o processo. Este ponto é importante, pois a tecnologia e o desenvolvimento não se terceirizam. Eles constroem o capital social da empresa e garantem a execução dos planos estratégicos.

Outra empresa de mídia, agora do outro lado do Atlântico, é a British Broadcasting Corporation (BBC). A BBC tem se consolidado como produtora e provedora de conteúdos, independente da plataforma de produção ou distribuição. O que antes era uma das maiores e melhores TV´s do mundo, é atualmente uma produtora digital multimídia, gerando conteúdos para TV, cinema, web, mobile e off-line. Entretanto, o processo, hoje visível, não foi tranquilo. A decisão da empresa em mudar a forma de desenvolver conteúdo, tomada há quase uma década, deixou mortos e feridos pelo caminho, mas o resultado é animador.

Um exemplo de empresa que não é oriunda do segmento de mídia, mas atualmente avança no setor de informação e entretenimento, é o Yahoo. Com o DNA da inovação, pois é uma empresa originária do meio da computação, o Yahoo possui programas para atrair gente inovadora nas áreas de Gerenciamento de Informação da Web (Data Management, Information Extraction, Multimedia) ou Sistemas Sociais (Human and Social Dynamics, Internet Experiences).

Os exemplos demonstram que a sobrevivência da empresa de mídia dependerá de competitividade mercadológica e a adaptação neste cenário requer a adoção de práticas de pesquisa em conjunto com as etapas de desenvolvimento e produção. Para isso, as ideias e projetos precisam estar à frente do mercado e da concorrência, buscando sempre trazer para o dia a dia do processo produtivo os últimos avanços científicos.