Planos & Ideias

KSP: uma missão espacial real viabilizada por milhares de gamers

Publicada em 12/03/2014 13:36

O lado mais interessante de um festival como o SXSW é a diversidade de assuntos.

Estava participando de um papo sobre storytelling e redes sociais, minutos depois fui para um debate com especialistas da NASA sobre um programa de caça a asteroides que tem como grande protagonista um game.

Como? O Kerbal Space Program (KSP) é um jogo desenvolvido em conjunto com a NASA que permite aos usuários criar naves e participar de missões ultra realistas envolvendo a exploração de asteroides. Todo tipo de problema é simulado no game: de ajustes técnicos em naves a treinamentos de tripulantes.

Até aí, é um game como qualquer outro. Mas a diferença está justamente no tipo de relacionamento entre a NASA e os jogadores por conta do realismo e do estilo dos desafios disponibilizados.

Por exemplo: uma das missões era resolver um problema técnico das naves envolvendo a manutenção da capacidade de seus painéis solares durante os momentos em que elas orbitavam distantes da luz do sol.

Esse era um problema real que a NASA estava buscando resolver há algum tempo sem sucesso – e crucial para a viabilidade de uma missão tripulada, por exemplo, a um asteroide.

O resultado? Em três semanas, a comunidade de gamers bolou uma solução extremamente criativa que acabou sendo testada, aprovada e implementada pela agência espacial.

Assim, de missão virtual em missão virtual, o governo americano espera conseguir inteligência e dados suficientes para viabilizar uma exploração real de um asteroide, por astronautas, agendada para 2022.

A pergunta que fica é: quem disse que boas ideias e soluções demandam um conhecimento aprofundado sobre uma determinada área? Se tem uma coisa que o KSP comprova é que excesso de conhecimento especializado pode inclusive gerar vícios que acabam atrapalhando um processo criativo eficiente.

Inovar, no final das contas, depende principalmente do casamento entre motivação e ocasião, esta última formada por um ambiente absolutamente heterogêneo, caótico e, acima de tudo, definido pela presença concentrada do máximo possível de áreas de conhecimento.