Edsphere - educação, inovação e negócios

Videoaula ajuda no aprendizado?

Publicada em 11/02/2015 8:11

Eis o Mito! cara5 (que pode ser encontrado em várias partes da internet)

Lembramo-nos de:

  • 10% do que lemos
  • 20% do que ouvimos
  • 30% do que vemos
  • 50% do que vemos e ouvimos
  • 70% do que dizemos
  • 90% do que dizemos e fazemos

Que bom se isso fosse verdade, não é? Infelizmente, estas estatísticas frequentemente citadas são infundadas. Será que a maioria dos educadores parou para considerar a improbabilidade de que pessoas se lembrem de 90 por cento de qualquer coisa, independentemente da abordagem de aprendizagem? Veriam um grande indício de problema.

Desvendando a história do mito cara5
Edgar Dale (1954), um investigador do domínio da aprendizagem visual é creditado para a ligação original entre a teoria instrutiva e as comunicações usando mídias. Infelizmente, ele é erroneamente creditado com a realização da pesquisa por trás desses falsos “dados”. De fato, o modelo original dele não inclui quaisquer porcentagens e é explicitamente descrito por Dale como um auxílio para saber a importância dos materiais audiovisuais. Ele fez um cone disso para melhor descrever sua pesquisa.

cone-of-learning
Ele não tinha a intenção de valorizar uma modalidade em detrimento de outra. Os valores propostos não estão relacionados com a retenção, mas sim com o grau de abstração. No entanto, como suas experiências mostraram que ao se mover na direção das maiores fatias do cone, mais os sentidos estão envolvidos no processo (tais como ouvir, ver, tocar, cheirar, saborear).

A(s) pessoa (s) que acrescentou(aram) porcentagens ao cone de aprendizagem estava(m) procurando uma bala de prata para matar esse lobisomem, uma abordagem simplista para um problema complexo. Um olhar mais atento revela agora que nem todas as soluções cabem em todos os alunos. Fazendo nem sempre é mais eficiente do que vendo e vendo nem sempre é mais eficaz do que a leitura, por exemplo.

Educadores informados entendem que o melhor projeto depende do conteúdo, do contexto e do aluno. Por exemplo, as porcentagens do cone sugerem que envolver os alunos na aprendizagem colaborativa em geral resultaria em níveis mais elevados de ensino do que seria uma aula onde o aluno ouve a narração ou lê um texto sobre o tema.

A realidade é que, para o aluno iniciante, atuando na construção de habilidades básicas, tais como aprender símbolos químicos, a aprendizagem individual através da leitura pode ser a concepção de aprendizagem ideal. No entanto, para um objetivo de aprendizagem diferente, por exemplo, a compreensão de causa e efeito de uma reação química específica, envolver esse mesmo aluno em colaboração com os colegas através de uma simulação da resolução do problema pode ser a abordagem mais eficaz.

Uma pesquisa recente da neurociência está começando a verificar, o que anteriormente era especulativo, a dupla codificação, a sobrecarga cognitiva e a aprendizagem usando multimídia Um conjunto de princípios relacionados com multimídia e modalidade está listada abaixo. Eles se baseiam no trabalho de Richard Mayer e Roxanne Moreno. carinhalingua

1 – Princípio Multimídia: A retenção é melhorada através de palavras e imagens, em vez de palavras sozinhas.

2 – Princípio de Contiguidade Espacial: Os alunos aprendem melhor quando palavras e imagens correspondentes são apresentadas próximas umas das outras, em vez de longe uma da outra na página ou na tela.

3 – Princípio de Contiguidade Temporal: Os alunos aprendem melhor quando palavras e imagens correspondentes são apresentadas simultaneamente ao invés de sucessivamente.

4 – Princípio da Coerência: Os alunos aprendem melhor quando as palavras estranhas, imagens e sons são excluídos em vez de serem incluídos.

5 – Princípio da Modalidade: Os alunos aprendem melhor a partir de animação e narração do que de animação e texto na tela.

6 – Princípio da Redundância: Os alunos aprendem melhor quando a informação não está representada em mais de uma modalidade – redundância interfere com a aprendizagem.

7 – A. Princípio das Diferenças Individuais: efeitos de design são mais elevados para os alunos com baixo conhecimento do que para alunos com alto conhecimento.

7 – B. Princípio das Diferenças Individuais: efeitos do desenho são mais elevadas para os alunos com mais facilidade espacial do que para os alunos de baixa facilidade espacial.

8 – Princípio da Manipulação Direta: à medida que a complexidade do materiais aumenta, o impacto de manipulação direta dos materiais de aprendizagem (animação, aumento da velocidade) sobre a transferência da informação também aumenta

As novas tecnologias da Web 2.0 introduziram algumas nuances para o aprendizado multimodal. Na prática, estão obtendo resultados variados, embora haja tendências positivas no uso de multimídia para aumentar a aprendizagem. Os alunos envolvidos na aprendizagem que incorpora projetos multimodais, na média, aprendem mais que estudantes usando abordagens no modo tradicional.

cisco

Os resultados da figura acima são baseados na análise meta-analítica e estão resumidos abaixo:

carinhalingua

  • Quadrantes I e II:

a pontuação do aluno médio sobre avaliações de habilidades básicas sofreram aumento de 21 pontos percentuais na aprendizagem quando se envolvem objetos não-interativos multimodais (inclui o uso de texto com efeitos visuais, texto com áudio, assistindo e ouvindo animações, vídeos ou palestras que efetivamente usam recursos visuais etc.) em comparação a aprendizagem tradicional.

Quando se muda para o uso de objetos interativos, usando a aprendizagem com multimídia (como a participação em simulações, modelagem e experiências do mundo real – na maioria das vezes em equipes colaborativas ou grupos), os resultados não são tão altos, com ganhos médios de nove pontos percentuais. Embora não seja estatisticamente significativo, esses resultados ainda são positivos.

  • Quadrantes III e IV:

Quando o aluno médio está envolvido na ordem superior de pensamento usando multimídia em situações interativas, em média, a sua percentagem no ranking da ordem superior de pensamento aumenta a capacidade de transferência em 32 pontos percentuais sobre o que esse aluno teria realizado com a aprendizagem tradicional. Quando o contexto muda de interativo para não-interativo na aprendizagem multimodal, o resultado é um pouco reduzido, mas ainda é um significativo 20 pontos percentuais sobre os meios tradicionais.

joinhaConcluindo…….
A complexidade do ensino e da aprendizagem torna cada vez mais evidente que conhecer o fisiológico, os aspectos cognitivos, os sociais e emocionais são fatores de impacto na transferência de conhecimento. As percentagens relativas para o cone de aprendizagem foram uma tentativa simplista de explicar um fenômeno muito complexo.

A realidade é que os projetos mais eficazes para a aprendizagem se adaptam para incluir uma variedade de meios de comunicação, as combinações de modalidades, níveis de interatividade, características dos alunos e pedagogia com base em um conjunto complexo de circunstâncias.

Em geral, a aprendizagem multimodal tem demonstrado ser mais eficaz do que a tradicional unimodal. Adicionando o visual ao verbal (texto e /ou auditiva) a aprendizagem pode resultar em ganhos significativos na base e na aprendizagem de ordem superior. Resposta a pergunta do título: sim, a vídeoaula ajuda e muito no aprendizado.

Viva a vídeoaula!!!

  • Edson

    Quando eu quero aprender alguma coisa da internet, eu prefiro baixar e ler uma apostila em pdf do que baixar e assistir um vídeo do “youtubos”.