Data e Consumo

Cibersegurança em Social Data Analytics

Publicada em 22/08/2014 18:29

Pesquisas recentes referentes ao Facebook e ao OkCupid demostraram em seus dados que somos coadjuvantes de diversas plataformas e sistemas de armazenamento de dados. Em troca de benefícios, aceitamos políticas e termos de uso autorizando o uso doe nossos dados. Na pesquisa eles perceberam como os relacionamentos se transformam a partir do uso do aplicativo, considerando a relevância da foto e da descrição da personalidade até a conversão para uma conversa com maior significado.

A construção de pilares em relação à relevância dos marcos regulatórios reside no equilíbrio tênue  entre as ferramentas do anonimato e a segurança do uso dos dados dos usuários através de autorizações ou ferramentas de opt-in e opt-out. Todos temos o direito de assinar ou não, tanto para e-mail marketing quanto para outros ambientes digitais.

De acordo com o estudo da Gartner, até o momento houve investimento mundial no valor de  U$ 67 bilhões no núcleo de segurança da informação. Investimento este embalado pelo aumento exponencial dos ataques provenientes de hackers.  Cabe aqui a relevância das ferramentas de criptografia como também monitoramento de diversas organizações de cibercriminosos.

Já no campo da Internet das Coisas, de acordo com a Cisco, teremos em 2020 cerca de 50 bilhões de dispositivos conectados e aumentado ainda mais o risco de ataques de cibercriminosos  e, por consequência, a alta exposição de dados sociais e pessoais.

A importância de politicas regulatórias reside no limite entre as informações privadas que serão guardadas e criptografadas com alto nível de segurança, como aquelas provenientes dos bancos, órgãos governamentais, e aquelas que serão guardadas pelos fornecedores de serviços internet e como será estabelecido o acesso como individuo, consumidor e órgão governamental a cada uma delas.

Fica aqui o convite para uma reflexão sobre o filme “We Steal Secrets”. Ele parte do princípio de que a segurança reside no equilíbrio entre a Comunidade Europeia e o Comitê de Privacidade Americano. Cabe ressaltar que ambos são conhecidos pelas ações de alta espionagem em tempos da Guerra Fria. Ao cenário do filme temos que adicionar o uso da inteligência artificial e dos sofisticados software de mineração de dados que apontam tendências comportamentais.

Neste momento onde a privacidade é altamente monitorada surge a benevolência das ilhas de desconexão, onde criaremos novos espaços e movimentos comportamentais em contrapartida da mídia programática e personalizada, restaurando o senso de pertencimento da comunidade.