Data e Consumo

A visão de Adam Kramer aplicada ao Social Data

Publicada em 04/07/2014 10:25

Diariamente construímos nossa memória digital repleta de imagens, símbolos, vídeos, que compõem nosso mosaico de emoções transcritos em momentos marcados em nosso diário virtual.

Agora convido a pensar que o fato de compartilhar reflete a transferência já exacerbada do contágio das emoções através das mídias sociais, seja em “momentos” com cunho histórico ou através da inteligência coletiva.

Neste contexto, vamos transpor para o estudo de Adam Kramer, do Facebook, que tem como premissa o contágio das emoções por transferência, sendo o outro o espelho, uma vez exposto ao conteúdo engendrado visando respostas através do News Feed.

Hoje, na construção da nossa nuvem de dados podemos comprovar a importância de políticas de privacidade,  e simultaneamente, a suscetibilidade do material exposto, no qual a emoção de um amigo, representada por um texto, pode ser suficiente para que haja uma réplica que contagie todo o núcleo de seus amigos.

O estudo de Kramer afirma que as mensagens online influenciam diretamente nosso comportamento diário. Diante deste quadro, o uso de mídia programática preditiva surge um novo ciclo midiático onde somos agentes receptores de conteúdo altamente segmentado de acordo com o nosso comportamento.

Há, portanto, uma linha tênue entre as práticas de conduta ética desde a autorização dos usuários para a realização de pesquisas e a metodologia aplicada através dos algoritmos visando textos com foco positivo ou negativo.