Circuito Deluca

Facebook já é a quarta empresa de tecnologia mais valiosa do mundo

Publicada em 28/01/2016 19:32

Cooper-Facebook-Button-Full-300x265

O valor de mercado do Facebook aumentou em 38 bilhões de dólares nos negócios de sua ação nesta quinta-feira, após os resultados da rede social para o quarto trimestre de 2015 superarem todas as expectativas em todas as principais medidas de avaliação, informou a Reuters. A empresa registrou receita de 5,8 bilhões de dólares no período, número 52% maior do que o registrado no mesmo período de 2014. O lucro mais do que dobrou em 12 meses, fechando o ano passado em 1,6 bilhão de dólares.

O mercado reagiu bem. Nesta quinta-feira, 28/1, as ações do Facebook saltaram mais de 14 por cento, para 109 dólares após a companhia, impulsionando o valor de mercado acima dos 300 bilhões de dólares. Isto a tornou a quarta empresa de tecnologia mais valiosa, superando a Amazon, que é avaliada em cerca de 290 bilhões de dólares antes de seus resultados, que devem ser divulgados nesta quinta-feira. Atualmente, Apple, Microsoft e IBM encabeçam a lista.

A receita de anúncios em aparelhos móveis correspondeu a 80% do total de receitas de anúncios no quarto trimestre de 2014 ante 69% no mesmo período de 2014. E esse percentual tem tudo para crescer ou ser mantido, com a possibilidade de expansão da Audience Network para sites móveis de editoras parceiras. Algo semelhante ao que o Twitter faz com o MoPub. O Facebook fica com um percentual da receita.

Significa que a rede social irá ampliar a sua presença na publicidade móvel.

facebook_fan-100265171-large
Em termos de formatos, os editores terão a oportunidade de servir banners através da Audience Network, mas o Facebook disse que espera que os parceiros trabalhem formatos nativos, capazes de gerar melhor desempenho para os eles próprios e os anunciantes. Significa que os publishers terão a capacidade de personalizar os anúncios para os seus sites móveis.

Os formatos nativos compõem mais de 80% das impressões da Audience Network hoje e sua performance chega a ser sete vezes melhor do que os formatos de banner padrão.

Segundo o Facebook várias editoras já testaram o serviços, incluindo Hearst, Slate, Answers.com, Elite diário, Diply, Rachado, Vuclip, La Place Media, EUA Hoje Sports Media Group e Time Inc.

“O Facebook construiu uma plataforma de anúncios notável, que permite aos comerciantes de todos os tipos oferecer anúncios direcionados para quase todos os consumidores no planeta”, escreveu a consultoria Jefferies.

Vídeos
Vídeo também está em alta. E foi mais uma vez o ponto focal na divulgação dos resultados do quarto trimestre de 2015.

Os usuários da rede assistiram a um total combinado de 100 milhões de horas de vídeos. Cerca de 500 milhões de usuários assistem a pelo menos um vídeo por dia na plataforma.

O primeiro número é novo e, aparentemente, substituiu os “total de visualizações de vídeo”,  métrica que Facebook usava no passado e que continua sendo usada pelo Snapchat, concorrente direto. Horas de visualização é a métrica preferida do YouTube. A mudança ajuda o Facebook a escapar da comparação com o Snapchat e ir com tudo para cima do YouTube.

O streaming de vídeo ao vivo (Live Video), disponibilizado em dezembro apenas para personalidades e usuários com perfis verificados, passa a partir de hoje a estar disponível para todos os usuários da rede social nos Estados Unidos, mas inicialmente só através do iPhone. Nas próximas semanas, o Facebook pretende começar liberar a novidade para usuários de todo o mundo. E aqui o foco é claramente concorrer com o Periscope, do Twitter e o próprio Snapchat.

A rede social também está considerando lançar um serviço ou página dedicado onde os usuários possam assistir a vídeos sem serem incomodados por outros conteúdos.

“Estamos explorando um local dedicado no Facebook para quando os usuários apenas querem assistir a vídeos”, afirmou o CEO da empresa, Mark Zuckerberg, durante uma conferência para discutir os resultados financeiros da empresa.

Na prática, essa possibilidade pode transformar o Facebook também em um repositório de vídeos, como é o YouTube. A rede social deixaria de ser somente o local de descoberta de vídeos, onde somos primariamente impactados por eles, para ser também o local onde poderíamos procurar por um determinado vídeo.

Questionado se um aplicativo separado de vídeo estaria nos planos, o executivo mencionou o sucesso do Messenger e do app para gerenciar páginas, mas não revelou mais do que isso. “Penso que existem sim oportunidades adicionais para isso e vamos continuar olhando para elas”, disse.

O Facebook quer encorajar um maior número de visualizações de vídeos porque isso mantém os usuários por mais tempo no site, o que consequentemente ajuda a vender mais publicidade.

“Os anunciantes também gostam muito de vídeos por serem uma maneira interessante de alcançar os consumidores”, explicou a COO da empresa, Sheryl Sandberg.

Em dezembro de 2015 a rede social tinha 1,59 bilhão de usuários ativos no mês – cerca de uma em cada quatro pessoas no mundo, segundo a Reuters.

Grupos
O Facebook também está feliz com o crescimento dos grupos. Segundo a rede social, mais de um bilhão de pessoas participam dos grupos, fechados e abertos,  todos os meses. Isso significa que, apenas no mês de dezembro de 2015, foram cerca de 10 bilhões de comentários e mais de 25 bilhões de curtidas no posts dos grupos.

Mais de 60% das 1,59 bilhão de pessoas ativas todos os meses vão aos grupos para descobrir, se conectar e atingir seus objetivos juntos.

Nesta quarta-feira  o Facebook aproveitou para lembrar quão úteis e poderosos podem ser os grupos todos os dias.

image003