Circuito Deluca

ICANN já sabe quem será seu próximo representante no Brasil

Publicada em 04/11/2013 7:07

No início deste ano, antes das revelações de espionagem de Edward Snowden, o Brasil se tornou  o primeiro país no mundo a ter um representante da ICANN – Internet Corporation for Assigned Names and Numbers. Mas desde meados de agosto, quando o represente escolhido, Everton Lucero, foi convocado pelo Itamary para reassumir novas funções no Ministério das Relações Exteriores e decidiu retornar para não interromper a carreira diplomática, o cargo está vago e a ICANN busca por um novo nome. No fim de outubro, o vice-presidente da ICANN para a América Latina e o Caribe, Rodrigo de la Parra, me disse, em entrevista por telefone, que depois de analisar três candidatos chegou a um veredito e o nome do novo ICANN Stakeholder Management Manager Brazil será anunciado agora, no início de novembro.

O anúncio do novo representante da entidade no Brasil acontecerá a tempo deste novo representante participar da próxima reunião da ICANN em Buenos Aires, entre 17 e 21 de novembro, quando a organização comemora seus 15 anos, e debate seu futuro e sua nova estrutura.

Na Argentina a ICANN discutirá seu plano estratégico para os próximos cinco anos. O rascunho deste plano estratégico propõe uma nova visão, reitera a missão e propõe cinco áreas chave para a entidade. Entre elas: definir com clareza o papel da ICANN no ecossistema governança da Internet e evoluir a implementação da abordagem multisetorial para coordenação da entidade.

“Para a ICANN abordagem multisetorial significa participação sistêmica em pé de igualdade de todos os atores envolvidos no processo decisório”, explica. A ICANN está muito interessada em conhecer melhor o modelo de governança da Internet multisetorial do Brasil e o trabalho do Comitê Gestor. “O Brasil tem um modelo muito interessante”, diz.

Parra é tido hoje como a principal voz em defesa do modelo de governança multistakeholder da Internet aqui na América Latina e no Caribe. Sediado na Cidade do México, mas frequentemente viajando pela região, é responsável pela divulgação, apoio e envolvimento com grupos de usuários, governos, setor privado e da sociedade civil em toda a região.

Pano de fundo
Nesses 15 anos de existência, a Internet mudou e a ICANN mudou, mas não na mesma velocidade. “A tendência agora é internacionalizar a gestão da ICANN”, me disse Parra, ressaltando que é dar maior participação a outros países, não só os Estados Unidos, na condução da entidade. Nesse sentido, nos últimos anos a entidade passou a ter dois centros operacionais além do de Los Angeles, em Istambul e Singapura. Tem também duas representações regionais, uma na China e outra em Montevidéu. E, mais recentemente, abriu um Centro de Excelência para a segurança do DNS na Índia. “A ICANN começa a se mover fora da Califórnia”, diz Parra.

De fato. O chefe de política global da ICANN está sediado em Istambul. O futuro chefe de tecnologia será baseado em Cingapura.

A aceleração da globalização das funções da ICANN e da IANA foram compromissos pedidos pelos líderes das organizações responsáveis ​​pela coordenação da infraestrutura técnica da Internet a nível mundial, reunidos em Montevidéu, Uruguai, no início de outubro.

Essa internacionalização passa também, segundo Parra, por ter mais servidores raiz da Internet espelhados no mundo. O Brasil tem vários espelhos dos servidores atuais. Hoje são 13 servidores raiz no mundo, dez deles localizados nos EUA, um na Ásia e dois na Europa.

Tão importante quanto a internacionalização das operações é a internacionalização legal da entidade. A intenção é transformar a ICANN em uma organização internacional privada, a exemplo do Fórum Econômico Mundial.

Novos Domínios
No último dia 23 de outubro, a ICANN delegou os primeiros novos domínios genéricos de primeiro nível (gTLDs), introduzidos à zona raiz da Internet: todos  formados apenas por cadeias de caracteres não latinos – ou como a ICANN oficialmente, gTLDs IDN (Nomes de Domínio Internacionalizados). São eles:
1 – شبكة (xn--ngbc5azd) – “web/network” em árabe;
2 – онлайн (xn--80asehdb) – “online” em cirílico
3 – сайт (xn--80aswg) – “site” em cirílico;
4 – 游戏(xn--unup4y) – “game(s)” em chinês.

O que isso significa? Que a entidade já começou a expandir Sistema de Nomes de Domínio (DNS). Além de facilitar a concorrência e a inovação por meio do programa de novos gTLDs, uma das principais metas da ICANN é ajudar a criar uma Internet globalmente inclusiva, independente do idioma ou da região.

Outros novos gTLDs serão delegados nos próximos meses e durante 2014.